Atualidades

Por uma sociedade que defenda e promova a vida

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo de Campos (RJ)

Desde 2005, aprovada pela 43ª Assembléia Geral da CNBB, acontece de 1º a 7 de outubro a Semana Nacional da Vida, que conclui com a celebração do 8 de outubro: Dia do Nascituro. Este ano o tema proposto para a reflexão é Vida e Sociedade , uma vez que avança a cultura da morte expressa na banalização da vida, na violência urbana contra mulheres, jovens, e crianças e as tentativas de aprovar o aborto. Fica claro não só para os cristãos, as pessoas religiosas, mas para todos/as que valorizam a vida como dom precioso e sagrado, que a legalização do aborto é como afirmava São João Paulo II a derrota e claudicação da civilização humana, a institucionalização de um totalitarismo eugenésico e demográfico que sacrifica e destrói a pessoa, instaurando um holocausto silencioso e perverso.

A defesa incondicional e consequente do direito à vida como primeiro direito da pessoa humana e do cidadão, brota cristalino da lei natural, e da Constituição Nacional, além de ser um mandamento divino positivo: não matarás!. Quando uma sociedade desconsidera a proteção à vida como eixo civilizatório e consenso fundamental a barbárie toma conta da convivência social, e seus alicerces se esboroam entrando numa lógica destrutiva e suicida.

Pois o aborto leva a uma pendente escorregadia que coloca a vida de outros inocentes em risco: portadores de síndromes ou deficiências, nascituros indesejados, os que foram considerados inúteis pelo nazismo ou pela engenharia social atual e a lista prosseguirá indefinidamente. Quando se perde de vista a solidariedade e o amor incondicional e compassivo a todo/a ser humano e a toda criatura voltamos a sociedade devoradora em que o homem se torna o lobo do homem, alimentando e fortalecendo o círculo de ferro da espiral da violência.

Não se trata de um fundamentalismo religioso barato ou sentimental, mas de colocar a pessoa humana e o direito a vida, como centro, como fonte de outros direitos, e de pensar que todo ser humano vem somar, acrescentar valor, alegria e esperança a comunidade e família da terra. Queremos uma sociedade misericordiosa, acolhedora, inclusiva, que acredite que mais importante que o PIB, é o IDH, e que o índice de felicidade bruta interna só é alcançado quando consideramos cada ser humano uma dádiva e um irmão para nós, protegendo a vida desde a concepção até seu termo natural. Por uma sociedade protetora e reverente a vida, compassiva e solidária! Deus seja louvado!

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Segundo Encontro com os Secretários Paroquiais da Região Episcopal Sertão São Francisco das Chagas

Nota de falecimento de padre Gerardo H. Van Rooyen

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 7,6.12-14

Papa: cristão não precisa de horóscopo, aberto às surpresas de Deus

A herança missionária de Pedro

QR Code Business Card