Atualidades

Paz em Síria

padre-Brendan200O Papa Pio Xll disse durante a segunda guerra mundial: “Nada se perde com a paz, tudo se perde com a guerra”. É deplorável o que está acontecendo na Síria no momento. É chocante, desumana e gravemente imoral a ação do Presidente da Síria em usar mísseis Scud para bombardear seu próprio povo e provavelmente ter usado armas químicas (Gás Sarin) contra populações sírias. Porém, não compreendo de onde vem o direito que deixa os Estados Unidos, a França e outros países autorizados para atacar militarmente um país soberano e infligir terrível sofrimento ao povo da Síria, povo este que sofreu cruelmente e de uma maneira imensurável e incalculável. Quem deve ser punido são o Presidente e as autoridades sírias que infligiram este sofrimento ao seu povo. A Igreja Católica, liderada pelo Papa Francisco quer evitar a intervenção armada na Síria pelas potências acima mencionadas e impedir mais derramamento de sangue e mortes de vidas inocentes.

As Nações Unidas já deixaram claro para o reconhecimento da legitimidade de uma ação armada contra um estado soberano, a ação militar exige a aprovação do Conselho de Segurança da ONU. Até agora esta aprovação não foi obtida. É importante lembrar que o tipo de ação militar sendo preparado, somente deve ser usado como o último recurso, quando não existe mais possibilidade diplomática parta resolver o problema pacificamente. No caso em pauta as nações em favor de uma agressão têm uma obrigação moral gravíssima para apresentar provas convincentes e irrefutáveis que mostram claramente, sem sombra de dúvida, que houve o uso de armas químicas pelo Governo da Síria. Até esta data faltaram provas adequadas neste sentido.

Um dos riscos da guerra moderna é dar ocasião aos possuidores de armas científicas, principalmente atômicas, biológicas ou químicas, de cometerem tais crimes. Os Estados Unidos, França, Canadá, o Reino Unido e outros, têm estes tipos de armas sofisticadas. O medo é que estes países poderosos pouco se importam com a violação da legalidade internacional e a imoralidade de matar grandes números de mulheres e crianças inocentes. Há uma crescente consciência e um posicionamento contra a agressão na Síria por parte dos povos e nações. É vital lembrar que “nenhum país pode atacar outro a não ser em legítima defesa e as nações só podem intervir militarmente com o aval do Conselho de Segurança da ONU”. Finalmente, é oportuno recordar as palavras do Papa Francisco aos membros do G8 na semana passada: “…faço um apelo do fundo do meu coração para que ajudem a encontrar o caminho para superar as posições de conflito e para que abandonem o vão afã de uma solução militar”.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1.

 

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Simpósio Ecumênico: “Iniciação à vida Cristã e Ecumenismo” tem inscrições abertas

Assembleia de avaliação e planejamento da Região Episcopal São Pedro e São Paulo

Assembleia da Região Episcopal Nossa Senhora dos Prazeres

Comunidade Católica Corpo Místico de Cristo realiza Congresso Mariano

Paróquia Sagrada Família em Ocara realizou Retiro com Agentes Pastorais


QR Code Business Card