Atualidades

Paz em Síria

padre-Brendan200O Papa Pio Xll disse durante a segunda guerra mundial: “Nada se perde com a paz, tudo se perde com a guerra”. É deplorável o que está acontecendo na Síria no momento. É chocante, desumana e gravemente imoral a ação do Presidente da Síria em usar mísseis Scud para bombardear seu próprio povo e provavelmente ter usado armas químicas (Gás Sarin) contra populações sírias. Porém, não compreendo de onde vem o direito que deixa os Estados Unidos, a França e outros países autorizados para atacar militarmente um país soberano e infligir terrível sofrimento ao povo da Síria, povo este que sofreu cruelmente e de uma maneira imensurável e incalculável. Quem deve ser punido são o Presidente e as autoridades sírias que infligiram este sofrimento ao seu povo. A Igreja Católica, liderada pelo Papa Francisco quer evitar a intervenção armada na Síria pelas potências acima mencionadas e impedir mais derramamento de sangue e mortes de vidas inocentes.

As Nações Unidas já deixaram claro para o reconhecimento da legitimidade de uma ação armada contra um estado soberano, a ação militar exige a aprovação do Conselho de Segurança da ONU. Até agora esta aprovação não foi obtida. É importante lembrar que o tipo de ação militar sendo preparado, somente deve ser usado como o último recurso, quando não existe mais possibilidade diplomática parta resolver o problema pacificamente. No caso em pauta as nações em favor de uma agressão têm uma obrigação moral gravíssima para apresentar provas convincentes e irrefutáveis que mostram claramente, sem sombra de dúvida, que houve o uso de armas químicas pelo Governo da Síria. Até esta data faltaram provas adequadas neste sentido.

Um dos riscos da guerra moderna é dar ocasião aos possuidores de armas científicas, principalmente atômicas, biológicas ou químicas, de cometerem tais crimes. Os Estados Unidos, França, Canadá, o Reino Unido e outros, têm estes tipos de armas sofisticadas. O medo é que estes países poderosos pouco se importam com a violação da legalidade internacional e a imoralidade de matar grandes números de mulheres e crianças inocentes. Há uma crescente consciência e um posicionamento contra a agressão na Síria por parte dos povos e nações. É vital lembrar que “nenhum país pode atacar outro a não ser em legítima defesa e as nações só podem intervir militarmente com o aval do Conselho de Segurança da ONU”. Finalmente, é oportuno recordar as palavras do Papa Francisco aos membros do G8 na semana passada: “…faço um apelo do fundo do meu coração para que ajudem a encontrar o caminho para superar as posições de conflito e para que abandonem o vão afã de uma solução militar”.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1.

 

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Visita Pastoral na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, Maranguape

II Romaria Bíblica e encontro sobre contabilidade na Região São Pedro e São Paulo

Palestras sobre o tema Comunicação na Faculdade Católica de Fortaleza

Convite de Dom José Antonio – Simpósio Arquidiocesano no Ano Mariano

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,1-3


QR Code Business Card