Atualidades

Páscoa e seguimento de Jesus

minialmir1Por padre Almir Magalhães

Um dos grandes problemas de nossa sociedade e que atinge muita gente boa é a incapacidade de pensar, de querer as coisas prontas, de parar para contemplar, de assinar em baixo o mesmismo, a rotina e, no caminho inverso, ser capaz de mudar, de reinterpretar conceitos e abrir horizontes.

Neste enunciado motivador, podemos olhar para o rico patrimônio da Igreja Católica, o Ano Litúrgico, com sua espiritualidade e em que direção cada período anima a vida do cristão.

Digo sempre na academia que, às vezes, nós, padres, exercendo o ministério de párocos, nem sempre somos capazes de olhar para nossos fiéis a partir de uma dívida histórica que temos – uma formação sólida que alimentasse e desse razão à fé dessas pessoas; o alimento continua sendo “mingau, papa” e as pessoas vivenciam estes períodos litúrgicos sem compreendê-los na sua essência. Dois exemplos: a) qual a compreensão que nós, cristãos, temos da Eucaristia? Que elementos são passados na iniciação à vida cristã sobre a Eucaristia? b) Batismo: a compreensão que nossos fiéis têm do batismo é já conhecida e dificilmente se reflete sobre a teologia do laicato na preparação do referido sacramento, que é eminentemente com adultos.

Estamos vivenciando um dos grandes mistérios de nossa fé – o Mistério Pascal. Qual a compreensão que nós temos da Páscoa? Na base da rotina, multiplicam-se as celebrações de Páscoa nos colégios, instituições públicas, entre os agentes de pastoral, como um momento festivo e não poucas vezes marcado por tensões internas, brigas, ciúmes… realidades humanas que deveriam passar por aquilo que celebramos semanalmente, pela Eucaristia e de forma mais socializada neste período de 50 dias, expressivo para a reorientação da vida.

Pensar na Páscoa nos remete para o seguimento de Jesus, para o discipulado. O Documento de Aparecida (estou sempre lembrando para não cair no esquecimento total) nos diz que o cristão deve “formar-se para assumir seu estilo de vida e suas motivações (cf. Lc. 6,40b), correr sua mesma sorte e assumir sua missão de fazer novas todas as coisas”. (Doc. Ap. n. 131)

Páscoa é contemplar a vida individual e comunitária (eclesial), estabelecer a distância entre a vida pessoal e comunitária no confronto com Jesus e sua proposta de vida e, neste encontro, reorientar a vida… Quanto à vida pessoal, é olhar para as atitudes, o que está iluminando a vida, os valores, os relacionamentos e empenhar-se por mudar; do ponto de vista eclesial (conversão pastoral), é olhar a vida societária, dos irmãos, especialmente dos que mais sofrem, e estabelecer rumos de solidariedade com a dignidade humana, com aquilo que já é conhecido quando se trata de Igreja = perita em humanidade.

Páscoa evoca um encontro com Jesus Cristo, mas não um encontro qualquer que leve a um intimismo (eu e meu Deus), mas que motiva, que é questionador e que tem como resultado a desinstalação, que não nos deixa os mesmos, que não se contenta com uma “ação evangelizadora” centrada no templo, mas que vai ao encontro dos outros em uma lógica simples – amor a Deus e ao próximo.

Vou concluir com uma reflexão do teólogo espanhol José Antonio Pagola: “Jesus é perigoso. Nele descobrimos uma entrega incondicional aos necessitados, entrega que põe a descoberto nosso radical egoísmo. Uma paixão pela justiça que sacode nossas seguranças, covardias e servidões”. (Livro O caminho aberto por Jesus – Lucas. Vozes 2012, p. 150)

Almir Magalhães é padre da Arquidiocese de Fortaleza.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Nota de repúdio dos bispos do Regional CNBB NE1-Ceará diante do escárnio público contra os símbolos sagrados

Em 2017, o Dia Mundial dos Pobres dia será celebrado em 19 de novembro.

Coleta da Campanha Missionária acontece neste final de semana no Brasil e no mundo

Reunião do Conselho Episcopal Regional (CONSER) Regional Nordeste 1 da CNBB – Ceará

Padre Antônio Niemiec é o novo secretário nacional da Pontifícia União Missionária


QR Code Business Card