Atualidades

Papa Francisco e a nova juventude católica

O Papa Francisco está aqui no Brasil para um encontro com a juventude católica na Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Durante sua visita entre nós, O Papa terá a oportunidade de falar para pouco mais de dois milhões de jovens de toda parte do mundo. Essa juventude é bem diferente dos jovens que os Papas João Paulo ll e Bento XVl encontraram em suas visitas ao país. Os jovens católicos participaram ativamente nas manifestações organizadas por estudantes em junho próximo passado. O Papa está dialogando com esses jovens e indicando os caminhos que eles devem percorrer.

A juventude brasileira é marcada por uma extrema diversidade e manifesta as diferenças e as desigualdades sociais que caracterizam nossa sociedade. Segundo os Estudos da CNBB, No 93, e intitulado “Evangelização da Juventude – desafios e perspectivas pastorais”, encontramos a seguintes observação: “Dentro as várias diferenciações que recortam a juventude, estão as de classe social, cor, etnia, sexo, local de moradia (…) além das variações relativas ao gosto musical ou estilo cultural e as pertenças associativas, religiosas e políticas” (cf. op. cit. No. 27). Os jovens católicos têm preocupações materiais e dificuldades espirituais ou religiosas. Entre suas preocupações materiais encontramos: uma grande preocupação com sua família e moradia, um grande esforço por uma educação de qualidade, uma luta para encontrar emprego, uma forte condenação da violência no campo e na cidade, um desejo para ver a corrupção erradicada, uma luta contra as drogas, uma condenação da pobreza e a defesa dos direitos dos pobres, algo muito perto do coração do Papa. Os jovens esperam que o papa Francisco mencione esses fatores nos seus discursos e homilias durante sua visita.

Entre as preocupações religiosas encontramos: um desejo para se alimentar com a Palavra de Deus, um esforço para aprofundar sua vida espiritual, e em termos gerais viver corretamente sua fé. Porém, a juventude católica hoje enfrenta dificuldades com o individualismo, o consumismo, o subjetivismo, o sincretismo religioso (além de certas formas do ecumenismo), o relativismo e o imediatismo. Devido às influências da atual sociedade e a mídia, jovens católicos têm dificuldades em compreender na área da moralidade assuntos como: sexo antes do casamento, aborto em casos de estupro ou gravidez de adolescentes, uniões de pessoas do mesmo sexo, a complicada situação de pessoas em segundas uniões matrimoniais, a relativismo dos valores cristãos, a não aceitação de compromissos definitivos (casamento/vida religiosa), a proibição da pornografia na Internet etc. Muitos jovens estão esperando o Papa Francisco oferecer uma orientação segura sobre estes tópicos.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card