Atualidades

Papa Francisco, artífice da paz

por Padre Geovane Saraiva*

A aparição do argentino Jorge Mario Bergoglio, na sacada da Praça de São Pedro, aos 13 de março de 2013, foi uma grande e agradável surpresa. O arcebispo de Buenos Aires foi eleito papa e escolheu o nome de Francisco, o santo da paz e dos pobres, para governar os destinos da Igreja Católica, carregando consigo marcas de crises profundas.

Permita-me querido leitor falar de paz interior e exterior, tão bem compreendida por Francisco de Assis, redescoberta no Papa Francisco, a qual foi por ele encarnada, quando humildemente se apresentou ao mundo. Foi a mesma graça salvadora de Deus que se manifestou a todos os homens no natal (cf. Tt 2, 11), na imanência da encarnação que entrou no seu interior, encantando-o e fascinando-o, a ponto de ter o que ofertá-la a humanidade, como um dom indizível e inexprimível.

Numa época conturbada, assemelhando-se a vivida por Francisco de Assis, eis que surge o fermento de renovação dentro da Igreja; fermento novo, no mundo da economia, da política e do social onde o dinheiro e o lucro não devem se impor como o eixo e a mola mestra, naquilo de mais nobre e elevado em detrimento do valor da vida humana, imagem e semelhança de Deus.

É por isso mesmo que na sua mensagem para o dia Mundial da Paz, 1º de janeiro deste ano de 2014, Francisco ajuda-nos, propondo uma reflexão, no sentido de se redescobrir a fraternidade na economia como condição sine qua non para se atingir o grande sonho do Pai, manifestado no Menino que nos foi dado, no qual nos deparamos como o mistério da vida em plenitude, tornando-nos filhos de Deus e irmãos uns dos outros.

O Papa Francisco diz com todas as letras em sua mensagem de paz, que a corrupção e o crime organizado são antagônicos a fraternidade, que é o fundamento e o caminho da paz. Como é belíssimo e coerente o testemunho humanitário de José Pepe Mujica, na Revista espanhola “Econimist”, indicando a verdadeira direção da paz, vindo do presidente do Uruguai, quando indagado sobre a possível indicação ao Prêmio Nobel da Paz, na seguinte assertiva: “Seria uma honra para os humildes e empobrecidos do nosso país. Temos muitas mulheres que vivem sozinhas com quatro ou cinco filhos, porque os maridos as abandonaram e lutamos para que elas possam ter uma casa digna (…) e penso que só assim esse Prêmio Nobel da Paz teria sentido”.

Francisco de Assis experimentou à Igreja, no tempo do Papa Inocêncio III. Tempo de muito poder e de muito fausto. Faziam-se sentir diversos movimentos de renovação a partir da realidade, fundamentalmente, marcada pela pobreza. Infelizmente, tais movimentos queriam conseguir o seu objetivo colocando-se à margem daquele que ao encarnar, revelou o rosto terníssimo do Pai, na condição de Supremo Pastor e por Ele enviado. É exatamente no contexto semelhante a esse que Deus nos mandou o Papa Francisco, que em sua plenitude, se colocou como servo dos servos de Deus, num grande desejo de paz ao dialogar com as realidades, seja a pessoa humana, seja a realidade do planeta no seu conjunto.

Ao iniciar o ano de 2014, celebramos o dia mundial da paz, tendo no nosso interior, o Cântico das Criaturas, de Francisco de Assis que se extasiava diante de Deus, o qual com o coração cheio de ternura costumava chamar a Deus de Bom Senhor, Altíssimo, Sumo Bem, Único Bem e todo o Bem. E o que sentia tornava-se oração. Convém ler e meditar as orações que brotaram espontâneas, desta alma toda repleta da mais excelsa misericórdia do Senhor, da transcendência de Deus, tão assimilada nos gestos e nas atitudes do nosso querido Francisco, Vigário de Cristo na terra.

Francisco de Assis viveu numa época marcada por ambiguidades. Hoje, mais do que nunca, é necessário que a fraternidade seja redescoberta, amada, experimentada, anunciada e testemunhada; mas só o amor dado por Deus é que nos permite acolher e viver plenamente a fraternidade. Precisamos ter diante dos nossos olhos e no nosso coração a paz duradoura, que tem origem no nosso Deus, grande, imenso e divino em sua ternura. Na obediência da fé e da bondade de um Deus pobre, dizendo-nos que só quem tem o coração despojado, assemelhando-se a Ele, totalmente aberto ao seu amor misericordioso, é capaz de compreendê-lo e levar uma vida a partir desta realidade misteriosa.

Com a chegada do novo Sucessor de Pedro, o planeta foi alegremente contemplado, porque através dele os cristãos passaram a se sentir estimulados e fomentados a um grande compromisso de dialogar e cuidar da criação, nas suas mais diversas realidades. É o mundo que precisa carinhosamente de práticas ecológicas e ambientais, nas quais a humanidade possa se tornar cada vez mais viva e coerente com aquilo que a professa e acredita.

Um belo e maravilhoso exemplo veio da gaúcha Ana Paula Maciel, integrante do Greenpeace Internacional, ao desembarcar no dia 28 de dezembro de 2013, após 100 dias de prisão na Rússia, ao dizer: “Eu não poderia falar em final feliz, enquanto o Ártico continuar derretendo, a Amazônia sendo reduzida e os oceanos sendo envenenados. Eu tomei uma atitude e assumi os riscos por enxergar a urgência de mudar os rumos da humanidade. Há muito trabalho pela frente e precisamos de toda a ajuda possível dos que se importam e acreditam em nosso trabalho”.

Saibamos compreender que é imprescindível a luta pela paz do mundo, na grandeza divina, envolvida em sua misteriosa pequenez, revelada “naquele que era rico e se fez pobre para nos enriquecer na sua pobreza” (2Cr 8, 9).

Que em 2014, a partir do estímulo e da grandeza do seu principal artífice, nosso querido Papa Francisco, a paz seja constante no planeta, contando com o diálogo e a generosa colaboração de todos os credos e religiões. Assim seja!

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, articulista, blogueiro, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal – Pároco de Santo Afonso – geovanesaraiva@gmail.com

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card