Atualidades

O Cruzeiro da Matriz

A cruz para os cristão é símbolo de imensa fé e vitória, pois foi através desse madeiro que Jesus provou para a humanidade sua real obediência ao pai e seu total desprendimento das coisas proporcionadas por esse mundo. A cruz é também sinal de respeito, de lembrança constante daquele que veio ao mundo para espalhar sementes de amor, de caridade, de alegria e que viveu intensamente fazendo as vontades de seu pai, fazendo os seres humanos enxergar que todos teriam a oportunidade de viverem em um dia num paraíso, mas para terem essa dádiva deveriam caminhar conforme seus ensinamentos. Conhecedores dessa verdade, os católicos guaiubanos que iniciaram sua devoção a Sagrada Família em meados do século XVIII, logo após a construção da primeira capela da cidade, afincaram a frente do pequeno templo uma cruz de madeira de lei oriunda da serra da Aratanha.

Segundo o Padre José Edilson Campos[1] o responsável pela fixação do cruzeiro da matriz no local onde se destaca até os dias atuais foi o Senhor Custódio Teixeira Gonçalves, proprietário do Sítio Corte (local onde se localiza o conhecido açude da serra), o mesmo tirou o pau para o cruzeiro do Sítio Alpes, do Senhor João Mendes. Juntou oitenta homens que transportaram o pau para Guaiúba em noite de lua, com o Sr. Custódio montado em cima, o povo dando vivas ao Sr. Custódio e Custódio dando vivas a Jesus, Maria e José.

O antigo cruzeiro fora trocado pelo atual no paroquiato de Padre Vicente Moraes dos Santos, que teve a frente da campanha para a sua aquisição o grupo Apostolado da Oração. O cruzeiro atual não demonstra tanta nostalgia como o antigo. É um aparato mais suntuoso, porém veio apagar um pouco das memórias dos guaiubanos que vivenciaram diversos aspectos de sua história tendo como palco a Igreja Matriz e seu patamar, resplandecentes com aquele belo símbolo que unido a paisagem pitoresca do lugar nos fazia refletir acerca de nossas ações cotidianas, além de nos prender um pouco ao nosso passado. A próxima foto e comentário que será divulgado fará referência a Imagem da Sagrada Família existente na Igreja Matriz.

Antônio Carlos Sales Paiva

[1] Pe. Dr. José Edilson Campos e Silva, nasceu a 11 de julho de 1915, na cidade de Pacatuba-CE, filho de João de Deus e Silva e de Jesudina Campos e Silva. Ordenou-se em Roma à 27 de novembro de 1938. Paroquiou Pedra Branca, Itapipoca, Cascavel e Pacatuba. Nomeado em 30 de janeiro de 1954, Capelão da Polícia Militar do Ceará, por ato do Exmo. Sr. Governador do Estado Stênio Gomes da Silva (1954-1956). Foi Professor da Faculdade de Filosofia do Ceará. Esses fatos foram descritos por Padre Edilson em uma seção do Jornal Correio do Ceará intitulada de crônicas pacatubanas.

Fonte: Blog Paróquia Missionária

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • Cristiano disse:

    O predio visto la na frente do lado direito era a antiga garagem da empresa redenção ainda sob o camando do antigo e primeiro dono José Guilherme,por volta de 1950, quando na época so havia dois ônibus e um ficava guardado na garagem aqui e outro em Redenção.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card