Atualidades

O ano da fé

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald - Redentorista

No dia 7 de janeiro, próximo passado, o cardeal William Levada, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, deu prosseguimento à Carta Apostólica “Porta Fidei”, de 11 de outubro de 2011, e anunciou um Ano de Fé que deve começar em 11 de outubro de 2012, o cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano ll e continuar até o dia 24 de novembro de 2013, na Solenidade de Cristo rei. De acordo com o referido cardeal o evento exige uma profunda reflexão sobre o Concílio Vaticano ll e o Catecismo da Igreja Católica, dois eventos que marcaram profundamente a história da Igreja Católica. O cardeal afirmou que a reflexão sobre estes dois eventos é crucial “para um compromisso mais firme da Igreja em favor de uma nova evangelização”.

Quatro áreas são contempladas para fazer reflexões no Ano da Fé: a) os componentes da Igreja universal; b) as Conferências Episcopais; c) as (arqui) dioceses; e d) paróquias, comunidades, associações e movimentos. Entre as reflexões e os estudos sugeridos são os seguintes: um grande número de conferências sobre o Concílio Vaticano ll, estudos sobre o Catecismo da Igreja, comentários sobre as intervenções do Santo Padre, homilias sobre os dois itens já mencionados. As Conferências Episcopais são exortadas a republicação dos documentos do Concílio Vaticano ll. Os professores nos centros teológicos e seminários devem verificar a relevância e as implicações do Concílio Vaticano ll e do Catecismo da Igreja Católica em suas respectivas disciplinas na formação dos futuros sacerdotes. Para as paróquias, comunidades, associações e movimentos propõe-se o estudo cuidadoso da Carta Apostólica “Porta Fidei” do papa Bento XVl. (cf. Bento XVl, A Porta da Fé, Paulus, São Paulo, 2011), e a distribuição do Catecismo. Os bispos são convidados a escrever cartas pastorais sobre o Concílio e o Catecismo. Os fiéis são convidados “a olhar com particular devoção à Maria, imagem da Igreja, que resume e irradia as principais verdades da fé”. Os bispos são chamados “a organizar, especialmente  durante a quaresma,  celebrações e encontros penitenciais nas  igrejas”.  Também, são recomendadas celebrações e encontros junto aos grandes santuários.  Finalmente, os bispos são convidados através dos meios de comunicação social a difundir o conhecimento dos santos das suas dioceses.

Padre Dr. Brendan Coleman Mc Donald,  redentorista e assessor da CNBB Reg. NE1.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Festejo do Padroeiro movimenta Paróquia de Cristo Redentor

A Paróquia no bairro Dunas festejará Nossa Senhora de Lourdes com um tríduo

Pascom Região Nossa Senhora dos Prazeres realizou encontro de Planejamento para 2018

Comunidades de Vida Cristã estão em Fortaleza para mais uma edição do “Amar e Servir”

Discursos do Papa Francisco no Chile


QR Code Business Card