Atualidades

[Artigo] Nunca é tarde para começar

Padre Geovane Saraiva*

Mística, uma palavra usada no século V no mundo ocidental, dentro do nosso contexto cristão, empregada pela primeira vez nos escritos atribuídos a Dionysius, o Aeropagite, com a finalidade de se voltar ao absoluto de Deus. Só é possível compreendê-la quando as pessoas se sentem profundamente  voltadas e marcadas pela graça Deus. É compreensivo que os místicos busquem referenciais e figuras exemplares, com as quais se identifiquem ou configurem, tendo como pressuposto Jesus de Nazaré, aquele que os leva à vivência da fé, numa bonita caminhada de esperança, como criaturas de Deus inspiradas e inspiradoras.padre-geovane

O Papa Francisco faz-nos compreender o tema acima, na Praça de São Pedro, no horário do meio-dia (06/03/2016), diante dos fiéis  atentos, afirmou: “Surpreende, sobretudo, sua tolerância ante a decisão do filho mais novo de ir embora de casa: poderia ter se oposto, sabendo que é imaturo, mas, em vez disso, o permite ir, mesmo prevendo os possíveis riscos”. É assim que Deus age conosco: nos deixa também livres de errar, porque, ao nos criar, nos deu o grande dom da liberdade. Somos nós que devemos saber utilizá-la bem. O desapego desse pai sobre seu filho é apenas físico; o pai o leva sempre no coração; aguarda confiante a sua volta; observa o caminho, na esperança de voltar a vê-lo.

Nunca é tarde para iniciar, numa enorme vontade, o processo de conversão, voltando-nos para nossas misérias e erros, a partir do personagem do filho mais novo. Igualmente, não nos esqueçamos nunca o filho mais velho, no olhar misericordioso do pai, revelando-nos de que não somos justos e que estamos longe da proposta amorosa e salvífica de Deus. Aqui entra a mística cristã, na assaz compreensão do sentido da misericórdia, dependendo de nós participarmos das Núpcias do Cordeiro, da plenitude da festa da fraternidade.

Entende-se como mística a espiritualidade de Jesus Nazaré, a do silêncio e do abandono nas mãos do absoluto de Deus, juntando-se a escuta da Palavra de Deus, da adoração a Jesus eucarístico, sem esquecer o evangelho da cruz e a busca do último lugar, identificada aqui com a espiritualidade de Charles de Foucauld, aquele que foi seduzido pelo amor de Deus, ao confessar seus pecados e sentir uma indizível alegria, a mesma alegria do filho pródigo.

A mística do Filho de Deus, com a Parábola do pai bondoso ou misericordioso, quer chegar ao preconceito dos doutores da lei e fariseus, pessoas consideradas puras, justas e distantes daquelas que eram consideradas não boas e pecadoras. Fica claro que pai bondoso é próprio de Deus, que, com seus didáticos ensinamentos, quer ver os filhos livres, nas suas escolhas e decisões.

Deus nos dê o dom da misericordiosa graça, para que, pela mística cristã, experimentemos o amor de Deus-Pai, que ama a todos indistintamente, estando sempre de braços abertos para acolher os filhos que retornam ao aconchego do bom, generoso e misericordioso pai.

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência  Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Visita Pastoral na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, Maranguape

II Romaria Bíblica e encontro sobre contabilidade na Região São Pedro e São Paulo

Palestras sobre o tema Comunicação na Faculdade Católica de Fortaleza

Convite de Dom José Antonio – Simpósio Arquidiocesano no Ano Mariano

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,1-3


QR Code Business Card