Atualidades

[Artigo] NOITE ESCURA DA ALMA

NOITE ESCURA DA ALMA

Padre Geovane Saraiva*

Confesso que gostaria de compreender melhor o poema A noite escura da alma, de autoria de São João da Cruz, escritor espanhol e místico cristão do século XVI, em que descreve a jornada da alma, desde a sua morada terrestre até a íntima e beatífica união com Deus. Tal poema quer mostrar-nos as dificuldades das pessoas, na convivência com o mundo, numa vida leve e despojada, buscando atingir a luz que não se extingue, na perfeita harmonia com Deus. Ao buscar o crescimento espiritual em união com Deus, São João da Cruz quer colocar os seguidores de Jesus de Nazaré diante da dolorosa e angustiante experiência, a que são chamados a suportar (cf. Jo 17), assegurando-nos que “no entardecer da vida seremos julgados pelo amor”.padre_geovane

Dentro do contexto da aventura dos eleitos de Deus, pensei na noite escura enquanto dolorosa e angustiante experiência pela qual passa a Igreja Católica, não só pelo caso Vatileaks II, que, depois de oito meses de andamento no processo, saiu o julgamento pelo presidente do Tribunal do Estado da Cidade do Vaticano, Giuseppe Dalla Torre (07/07/2016), com a sentença contra os cinco acusados de divulgar documentos reservados da Santa Sé. É lamentável e mesmo pecaminoso não saber guardar o sigilo que a função exige e também a respeito do dinheiro, nesse referido processo, que, segundo sabemos, foi usado não a partir dos critérios do Evangelho.

Também noites escuras e dolorosas vive a Igreja Católica do Brasil, concretamente, quando bispos e arcebispos são convidados, depois de denúncias, dossiês e auditorias, a apresentar pedido de renúncia à Santa Sé, causando enorme prejuízo, com interrogações e surpresas, acompanhadas de sofrimentos, às comunidades dos que abraçam a fé. Que São João da Cruz ajude-nos a perceber prováveis ou reais sombras, infidelidades ou ausência de Deus, como um aparente abandono ou colapso, que  possam se transformar em providencial bênção, e não em tempestade, na mais absoluta convicção de que nada tem a ver com o abandono de Deus.

Sombras, erros e pecados, sim, mas temos consciência nítida e esperançosa de que a bondade de Deus é maior. Convençamo-nos, pois, de que crises e conflitos devem entrar sempre no plano salvífico de Deus, na compaixão do nosso bom Deus, que é infinitamente maior do que os conflitos internos e estruturais da Igreja, e também de todos os seus membros, do maior ao menor, na certeza de que Jesus ressuscitado cumpre a promessa de reconciliar o mundo consigo, querendo fazer novas todas as coisas (cf. Cl 1, 20).

Fixemos na mente e no coração a expressão litúrgica da celebração da luz, na noite de Páscoa: “Por suas santas chagas, suas chagas gloriosas, o Cristo Senhor, nos proteja e nos guarde”. Jesus, ao passar da morte para a vida, nunca mais se afastará de seu povo, oferecendo-nos pelo seu Espírito de misericórdia e perdão, no que o Papa Francisco nos assevera: “Assepsia da alma, a faxina da mente e alforria do coração”. Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência  Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Segundo Encontro com os Secretários Paroquiais da Região Episcopal Sertão São Francisco das Chagas

Nota de falecimento de padre Gerardo H. Van Rooyen

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 7,6.12-14

Papa: cristão não precisa de horóscopo, aberto às surpresas de Deus

A herança missionária de Pedro

QR Code Business Card