Atualidades

Niilismo e a decadência moral brasileira

padrePor Pe. Antonio Augusto Menezes do Vale*

O Brasil vive uma grande decadência moral. A progressiva bancarrota da metafísica tem arrastado consigo, como um efeito dominó, os valores morais fundamentais. A sociedade brasileira está implementando progressivamente o niilismo como base para seu pensar e agir.

O niilismo é um processo de nadificação. No que consiste este processo? No esvaziamento dos princípios fundamentais que orientam nossa ação, princípios que foram pensados pela tradição metafísico-teológica ocidental como eternos e imutáveis. A destruição desses princípios, naquilo que alguns chamam hoje de pós-modernidade, leva a uma nova compreensão do ser humano com a renúncia desse termo “ser”, que dá ao homem um valor de fim em si mesmo e de não ser usado como meio para finalidades escusas.

Com o niilismo o humano é ressignificado não possuindo um valor em si mesmo, podendo ser instrumentalizado e relativizado. É a própria desconstrução do conceito de homem que conhecemos, oferecido pela tradição metafísica e teológica do ocidente. O “nada”, apregoado pelo niilismo, é ainda mais radical, visa a destruição do lugar de onde emanam esses conceitos fundamentais, nos quais o ser humano se fundamenta: anuncia a morte de Deus e põe toda linguagem metafísico-teológica na esfera do ridículo, do objeto de chacota, do superado, do sem sentido. Basta lembrarmos do recente vídeo do grupo ateu, travestido de “humor”, porta dos fundos.

O que resta desse processo sombrio? Apenas o homem e sua vida vazia, procurando dar a si mesmo e ao mundo um novo sentido, agora sem Deus, sem valores fundamentais, sem nenhuma raiz profunda. As consequências desse pensamento estão claras e evidentes nos noticiários e programas das diversas formas de mídia: a vida humana profundamente desrespeitada em sua dignidade, haja vista, o humano, segundo o niilismo, não haver dignidade em si mesmo; o enfraquecimento das instituições tradicionais, tais como família, sociedade civil e o Estado, a religião, exceto aquelas formas religiosas que são a expressão desse niilismo, uma religião do tipo “light”; no cenário político, o abandono das prioridades, tais como educação, saúde, segurança, moradia, etc., a favor das frivolidades; confecção de leis e discussão sobre assuntos que não têm importância direta sobre a vida e as urgências do povo brasileiro; a mídia, através de novelas e reality shows imprimindo toda a sua força e potencialidade contra os valores que são fundamentais até para uma convivência sadia na sociedade, sob a escusa de que está apenas reproduzindo a realidade. Mas, pergunta-se: a realidade é só isso? Somente frivolidades e cabeça vazia?; uma massa intelectual a favor dos chamados “rolezinhos” e da apologia à maconha, entre outros, sob a desculpa de que quem é contra tais estados de coisas faz segregação cultural. Mas, no quê essas realidades mudam substancialmente a situação desses jovens que nascem na pobreza, marginalidade e exclusão social? Se a intenção é dar visibilidade a essa situação, o cinema já o fez, o filme “Cidade de Deus”, “Pixote”, “Tropa de Elite I e II” são alguns dos exemplos, bem como os inúmeros noticiários de jornal impresso e televisivo, os assaltos nas ruas e em residências a luz do dia, o povo pedinte, os decapitados de Pedrinhas no Maranhão; sem falar dos problemas surgidos pela destruição da natureza; a política infestada de “ratos” eleitos a custa da necessidade e ignorância das massas acéfalas.

A minha impressão é que o niilismo está corroendo a democracia brasileira por dentro, tornando-a frágil. Uma tal democracia é um passo para um regime autoritário, haja vista, ser impossível uma sociedade regida pelo nada, pelo caos. Oxalá nossas futuras gerações sejam mais inteligentes e construam uma verdadeira democracia, retomando os princípios mais básicos para se construir uma sociedade menos doente.

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza estudante em Roma

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • graciana Menezes disse:

    Li com atenção o texto e de forma muito simples exponho meu sintético modo de pensar.
    No ano de 1986, quando eu era acadêmica de Filosofia Pura na extinta FAFIFOR, o nosso grandioso professor de Moral e Ética, Padre Manfredo Ramos, já punha à nossa disposição seus conceitos e suas profundas avaliações sobre a questão de tal enfermidade que aos poucos invade a sociedade como um todo.
    No meu modo de pensar a decadência moral é considerada hoje, um dos maiores dilemas da pós-modernidade. Creio não ser preciso ir longe para se reconhecer o peso que essa enfermidade moral social traz em si, para ser considerada “grande decadência moral” conforme expressa o texto.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

“Magnum Principium” do Papa Francisco

Material em preparação ao Simpósio Arquidiocesano no Ano Mariano

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 7,11-17

Perdão, dom e graça

Convite e Programação Festa de São Vicente de Paulo


QR Code Business Card