Atualidades

Massacre de Manaus: alerta ao Brasil

 

Resultado de imagem para manaus presidioO primeiro dia do ano de 2017 foi marcado por um acontecimento trágico no Brasil noticiado pela imprensa ao mundo todo: massacre no Sistema Penitenciário de Manaus. De acordo com a Nota a sociedade da Pastoral Carcerária da Arquidiocese de Manaus, ao menos 60 detentos morreram no ocorrido.

A referida Nota da Pastoral que há 40 anos acompanha o sistema prisional, afirma que “é dever do Estado cuidar e garantir a integridade física de cada detento, oferecendo as condições para cumprimento das suas respectivas penas”. E ainda que: “o Sistema prisional não recupera o cidadão, pelo contrário oportuniza escola de crime, em vez de oferecer atividades ocupacionais aos internos”.

Por último, “Considera ainda que a raiz do problema carcerário no Estado do Amazonas e no Brasil é falta de políticas públicas. A terceirização também fragiliza o sistema, onde o preso representa apenas valor econômico”.

Segundo dados do Anuário de 2016 do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a população carcerária do País é de 584.361 desse total, 372.183 são condenados e 212.178 são provisórios. Números altos e preocupantes, porque denotam claramente a lotação dos presídios e consequentemente as condições em que vivem os presos.

De fato, por vezes não há sequer condição digna oferecida pelo Estado desde elementos físicos até atividades que visualizam a reeducação e reinserção social para os que se encontram reclusos. Ora, é óbvio que o braço armado do Estado sem uma intervenção que possibilite a mudança desse quadro de crise no Sistema Penitenciário não só de Manaus, mas do Brasil inteiro, exercerá o papel simplesmente de repressor momentâneo.

O que aconteceu agora em Manaus, reflete o que pode acontecer e que não dificilmente acontece em qualquer outra cidade brasileira, uma vez que as condições prisionais são semelhantes. Sem políticas próprias para ofertar uma segunda chance de vida para o preso, não existirá terreno propício para que a liberdade do indivíduo antes sob a custódia do Estado seja efetivamente plena enquanto cidadão como os outros.

O empreendimento que aposta num horizonte de oportunidades para os detentos enfrenta além da situação na qual por natureza se insere, o forte preconceito social para com os que já cumpriram pena.

Para além dos muros dos presídios, a violência não pode ser respondida com violência, mas com não-violência, visando uma cultura da paz.

Felipe Augusto Ferreira Feijão, Estudante de Filosofia – Faculdade Católica de Fortaleza

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card