Atualidades

Massacre de Manaus: alerta ao Brasil

 

Resultado de imagem para manaus presidioO primeiro dia do ano de 2017 foi marcado por um acontecimento trágico no Brasil noticiado pela imprensa ao mundo todo: massacre no Sistema Penitenciário de Manaus. De acordo com a Nota a sociedade da Pastoral Carcerária da Arquidiocese de Manaus, ao menos 60 detentos morreram no ocorrido.

A referida Nota da Pastoral que há 40 anos acompanha o sistema prisional, afirma que “é dever do Estado cuidar e garantir a integridade física de cada detento, oferecendo as condições para cumprimento das suas respectivas penas”. E ainda que: “o Sistema prisional não recupera o cidadão, pelo contrário oportuniza escola de crime, em vez de oferecer atividades ocupacionais aos internos”.

Por último, “Considera ainda que a raiz do problema carcerário no Estado do Amazonas e no Brasil é falta de políticas públicas. A terceirização também fragiliza o sistema, onde o preso representa apenas valor econômico”.

Segundo dados do Anuário de 2016 do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a população carcerária do País é de 584.361 desse total, 372.183 são condenados e 212.178 são provisórios. Números altos e preocupantes, porque denotam claramente a lotação dos presídios e consequentemente as condições em que vivem os presos.

De fato, por vezes não há sequer condição digna oferecida pelo Estado desde elementos físicos até atividades que visualizam a reeducação e reinserção social para os que se encontram reclusos. Ora, é óbvio que o braço armado do Estado sem uma intervenção que possibilite a mudança desse quadro de crise no Sistema Penitenciário não só de Manaus, mas do Brasil inteiro, exercerá o papel simplesmente de repressor momentâneo.

O que aconteceu agora em Manaus, reflete o que pode acontecer e que não dificilmente acontece em qualquer outra cidade brasileira, uma vez que as condições prisionais são semelhantes. Sem políticas próprias para ofertar uma segunda chance de vida para o preso, não existirá terreno propício para que a liberdade do indivíduo antes sob a custódia do Estado seja efetivamente plena enquanto cidadão como os outros.

O empreendimento que aposta num horizonte de oportunidades para os detentos enfrenta além da situação na qual por natureza se insere, o forte preconceito social para com os que já cumpriram pena.

Para além dos muros dos presídios, a violência não pode ser respondida com violência, mas com não-violência, visando uma cultura da paz.

Felipe Augusto Ferreira Feijão, Estudante de Filosofia – Faculdade Católica de Fortaleza

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,19-21

Programa Igreja no Brasil nº 255

A gramática do povo de Deus

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,16-18

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 20,1-16a


QR Code Business Card