Atualidades

Maio o mês de Maria

Estamos no mês de maio; o mês de Maria Mãe de Deus. O Concílio Vaticano ll referindo-se à devoção à Virgem Maria, no capítulo 8 da Constituição Dogmática “Lumen Gentium” reafirmou a doutrina e a devoção de venerar a Mãe de Deus sempre Virgem. No número 69 da referida constituição o Concílio exorta “Todos os fiéis para dirigir súplicas insistentes à Mãe de Deus e Mãe dos homens, para que ela, que assistiu com suas orações aos alvores da Igreja, também agora, exaltada no céu acima de todos os anjos e bem-aventurados interceda junto de seu Filho, na comunidade de todos os santos, para que todas as famílias dos povos, quer se honrem do nome cristão quer desconheçam ainda o seu Salvador, se reúnam felizmente, em paz e concórdia, no único povo de Deus, para glória da santíssima e indivisa Trindade”. A celebração condigna do mês de maio encontra-se, assim, perfeitamente dentro do espírito do Concílio Vaticano ll. Além disso, é uma excelente oportunidade para inculcar nos fiéis os fundamentos teológicos da devoção à Maria, especialmente na perspectiva de Mãe de Deus.

A Igreja Católica sempre tributou a Maria uma veneração, uma imitação, um amor muito especial desde o início do cristianismo. O motivo é porque ela é a Mãe de Jesus, o Filho de Deus e nosso Salvador e Redentor. Jesus sendo o Filho de Deus é igual ao Pai e ao Espírito Santo. A Jesus devemos o culto máximo de adoração. Maria sendo uma criatura como nós, não deve receber o culto de adoração, mas de veneração (hiperdúlia), amor e imitação. Maria é a Mãe de Deus porque ela é a Mãe de Jesus e Ele é Deus. O Concílio de Éfeso que o ocorreu no ano 431 com mais de 200 bispos presentes declarou solenemente o dogma mariano católico afirmando que Maria é Mãe de Deus. Através do termo “theotokos” que em grego significa Geradora de Deus, aquele Concílio proclamou que Maria é Mãe de Deus.

A própria bíblia nos mostra que Maria tem o direito ao título de Mãe de Deus. Em Isaias 7, 14 encontramos a frase: “O Senhor mesmo vos dará um sinal: Eis a Virgem que concebe e dá à luz um filho que se chamará Emanuel”. Emanuel é uma palavra hebraica, que na tradução literal significa “Deus conosco”. Exprime uma presença particular e pessoal de Deus no mundo. Porém, o texto mais citado para provar que Maria é a Mãe de Deus é Lucas 1, 30-35: “O anjo disse a Maria: não tenhas medo, Maria encontraste graça junto de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, e o chamarás com o nome de Jesus. Ele será grande, será chamado Filho de Altíssimo”… “Maria, porém, disse: como se fará isso, visto que não tenho relações conjugais? O anjo respondeu: o Espírito Santo virá sobre ti e o poder do Altíssimo vai te cobrir com sua sombra, por isso o Santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus”. Maria também é nossa mãe. Portanto, neste mês dedicado à ela vamos aproveitar de seu poderoso poder de intercessão junto com seu Filho para agradecê-lo e pedir as graças que estamos precisando.

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista e assessor da CNBB Reg. NE1

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Programa Igreja no Brasil nº 255

A gramática do povo de Deus

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,16-18

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 20,1-16a

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,4-15


QR Code Business Card