Atualidades

Giovanni Montini e o Vaticano II

Padre Geovane Saraiva*

Há 50 anos Giovanni Battista Montini assumiu o comando da Igreja Católica (21/06/1963 – 06/08/1978), escolhendo o nome de Paulo VI. Quando passou a ser Papa Paulo VI, a Igreja Católica vivia uma fase de efervescência por causa do Concílio Vaticano II, encaminhando-se para a segunda sessão, na qual ele deu continuidade a feliz iniciativa da Papa João XXIII, prosseguida nas sessões seguintes, de 1964 e 1965, concluindo-o em 08 de dezembro de 1965.

O novo Sumo Pontífice se apresentou ao mundo como um homem progressista, encarregado de colocar em prática algumas das mais ousadas reformas na História da Igreja, sobretudo, a reforma da Liturgia, quando os idiomas nacionais foram substituídos pelo latim na celebração do culto. Também o domínio de seis séculos dos italianos no Sacro Colégio de Cardeais teve fim, através de uma escolha internacional e um novo espírito de discussão que se delineou e foi posto em questão, práticas adotadas e aceitas, sem contestação durante longo tempo.

Contudo, a partir da reiteração da posição católica contra o controle da natalidade, em 1968, Paulo VI intensificou sua preocupação com a preservação da ortodoxia e da doutrina . Aqui se tratou de um papa sábio, de um profundo rigor intelectualmente, avançado e progressista, mas quando era para se transformar em prática a teoria, seu passado no corpo diplomático do Vaticano falou mais alto, tornando-o mais reservado ante as implicações consequentes das mudanças.

Na primeira parte de seu pontificado, Paulo VI encantou o mundo percorrendo as casas miseráveis de Bombaim, beijando o solo colombiano, por ocasião da 2ª Conferência dos Bispos da América Latina em Medellín, dirigindo-se às Nações Unidas num dramático apelo de paz, visitando também o interior da África e da Ásia. Desde sua viagem em 1970 à Ásia e ao Sul do Pacífico, o Romano Pontífice não saiu mais da Itália.

Jamais iremos esquecer a emblemática Exortação Apostólica Evangelii Nuntiandi (08/12/1975), dirigida aos bispos do mundo inteiro, ao clero, aos fiéis de toda a Igreja, sobre a evangelização no mundo contemporâneo, nas seguintes palavras, sábias e proféticas: “O empenho em anunciar o Evangelho aos homens do nosso tempo, animados pela esperança, mas ao mesmo tempo torturados muitas vezes pelo medo e pela angústia, é sem dúvida alguma um serviço prestado à comunidade dos cristãos, bem como a toda a humanidade”. Giovanni Montini nos aponta para o inesgotável manancial, no desejo de externar o Vaticano II, que são as suas Encíclicas, a saber: Ecclesiam Suam (06 de agosto 1964); Mense Maio (29 de abril 1965); Mysterium Fidei (03 de setembro 1965); Christi Matri (15 de setembro 1966); Populorum Progressio (26 de março 1967); Sacerdotalis Caelibatus (24 de junho 1967); Humanae Vitae (25 de julho 1968).

Veja estimado leitor o que disse o nosso querido Papa Francisco a seu respeito: “Nós neste tempo podemos dizer as mesmas coisas que Paulo VI: a Igreja é serva do homem, a Igreja crê em Cristo que veio na carne e por isso serve ao homem, ama o homem, crê no homem. Essa é a inspiração do grande Paulo VI. Caros amigos, reencontrar-nos em nome do venerável Servo de Deus Paulo VI nos faz bem! O seu testemunho alimenta em nós a chama do amor a Cristo, do amor à Igreja, do impulso a anunciar o Evangelho ao homem de hoje, com misericórdia, com paciência, com coragem”.

Os quinze anos do pontificado de Giovanni Montini, para ser realista, foi marcado por muito trabalho, desafios, dificuldades, incompreensões e calúnias. Quando eu era seminarista menor em Campo Mourão – PR, no ano de 1976, li um artigo na Folha de Londrina, no qual o diplomata e escritor francês Roger Peyrefitte(1907 – 2000), aluno de colégios internos de Jesuítas e Lazaristas, formado em línguas e literatura, em que acusava o saudoso Vigário de Cristo na Terra, com palavras infâmias, indo na direção do homossexualismo, no que lhe provocou comentários cheios de dolorosa e profunda tristeza. Nada foi comprovado a seu respeito.

Apesar de tudo, os ataques continuaram contra a sua autoridade e sua política de bem governar a Igreja, por parte de elementos descontentes, no modo como a Igreja era conduzida. O semanário italiano tempo publicou, em determinada ocasião, na capa de um de seus últimos números uma caricatura do papa, com uma pílula anticoncepcional entre os joelhos – método que, segundo uma piada, é o único aceito pelos católicos – e, de acordo com a revista, a reação de Paulo VI às ameaças de cisma é: deixai afastar-se de mim as criancinha (cf. AP.FL- agosto de 1976).

Deus nos dê a graça do discernimento para que melhor possamos compreender a Igreja do Vaticano II, pela qual Paulo VI, generosamente doou quinze anos de sua vida, na qualidade de Sucessor de Pedro. Gosto sempre de repetir Dom Aloísio Lorscheider quando o assunto é o referido Concílio, na sua afirmação: “O Vaticano II faz-nos passar de uma Igreja-Instituição, uma Igreja-sociedade perfeita – para uma Igreja-comunidade, inserida no mundo, a serviço do reino de Deus; de uma Igreja-poder para uma Igreja pobre, despojada, peregrina; de uma Igreja-autoridade para uma Igreja serva, servidora, ministerial; de uma Igreja piramidal para uma Igreja-povo; de uma Igreja pura e sem mancha para uma Igreja santa e pecadora, sempre necessitada de conversão, de reforma; de uma Igreja-cristandade para uma Igreja-missão, uma Igreja toda missionária”.

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal – Pároco de Santo Afonso – geovanesaraiva@gmail.com.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card