Atualidades

Estrela que guia os magos

Pe Geovane Saraiva

Em Belém, numa cidade pequena, nasce uma pobre criança, aliás, nem nasce na cidade, e sim no campo, como tão bem sabemos, numa manjedoura, entre animais e pastores. Essa criança veio com a missão de dar a vida por suas ovelhas, chamando a atenção para a realidade do seu mundo: antagonismos e mundo envolto em mistério. Nasce no meio da noite, na escuridão, mas na condição de luz ou estrela, guiando e iluminando os passos da humanidade. Ninguém melhor do que Dom Helder Câmara para assimilar a riqueza do mistério da encarnação: “Se eu pudesse sairia povoando de sono e de sonhos as noites mal dormidas dos desesperados”[1].

Estamos diante do eixo da nossa fé pelos anjos, que anunciam aos pastores o nascimento do Salvador da humanidade, ao mesmo tempo em que no Oriente, distante e longínquo, surge uma estrela, com a missão de comunicar aos magos o nascimento da verdadeira Estrela da humanidade[2]. É forte o significado paradoxal da estrela, vista como um instrumento estranho e, ao mesmo tempo, belo e maravilhoso. Percebe-se, pedagogicamente, a ação de Deus, ao se manifestar através da estrela, desaparecendo-se, em seguida, e não sendo causa de preocupação para aqueles homens de Deus: os magos.

Deus se revelou há mais de dois mil anos naquela criança. O inaudito e misterioso encontro dos magos com o Menino Jesus não deixa dúvida da verdadeira Estrela, a luz da vida, que quer sempre mais iluminar e aquecer os que andam na escuridão e na sombra da morte[3].  Como seguidores ou discípulos de Jesus de Nazaré, somos convidados a dar continuidade à obra por Ele iniciada. Sabemos que Jesus está junto do Pai, mas, ao mesmo tempo, presente e caminhando com seu povo, inspirando-nos com mentes férteis e corações renovados, deixando-nos claro que temos que nos deixarmos guiar pela estrela do nosso feliz destino: a glória.

Que no espírito do Natal, no exemplo dos magos, que se deixaram ser guiados pela estrela, busquemos a ternura de Deus neste ano de 2017, no convite feito às pessoas de boa vontade, de “participar da divindade daquele que uniu a Deus nossa humanidade”[4], manifestando-se como luz a iluminar todos os povos no caminho da salvação[5]. Saibamos experimentar misteriosamente “a troca de dons entre o céu e a terra”[6] de um Deus que, como luz, ilumina a história da humanidade.

*Pároco de Santo Afonso e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

 

[1]  Livro “Rezar com Dom Helder”, p. 127, Padre Geovane Saraiva.
[2]  Diante de Deus com Dom Aloísio Lorscheider, p. 49.
[3]  Anúncio do Nascimento e a visita dos magos (cf. Lc  2, 9-11; Mt 2, 1-12).
[4]  Oração sobre as oferendas, na missa da noite de Natal.
[5]  Prefácio da Epifania do Senhor
[6]  Liturgia do Natal do Senhor

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card