Atualidades

[Artigo] DOMINGO DE RAMOS

No dia 20 de março deste ano de 2016, a Igreja Católica celebra o “Domingo de Ramos”. É a festa litúrgica que celebra a entrada triunfal e messiânica de Jesus Cristo na cidade de Jerusalém, poucos dias antes de sofrer a Paixão, Morte e Ressurreição. É também o primeiro dia da Semana Santa. Este domingo é chamado assim porque o povo cortou ramos de oliveiras e folhas de palmeiras para cobrir o chão onde Jesus passava montado num jumentinho – o símbolo da humildade – e foi aclamado pela população como o Messias, o Rei de Israel. A multidão o aclamava “Hosana ao Filho de Davi!” e “Bendito o que vem em nome do Senhor!”. Assim, Jesus entrou triunfantemente em Jerusalém despertando nos fariseus e mestres da lei muita inveja, desconfiança e medo de perder o poder. Começa então uma trama para condenar Jesus à morte e, morte de cruz.padre_brendan_coleman

Para entender o texto de hoje cumpre relembrar um trecho do Profeta Zacarias: “Dance de alegria, cidade de Sião; grite de alegria, cidade de Jerusalém, pois agora o seu rei está chegando, justo e vitorioso. Ele é pobre, vem montado num jumento, num jumentinho, filho duma jumenta…Anunciará a paz a todas as nações, e o seu domínio irá de mar a mar, do rio Eufrates até os confins da terá” (Zc 9, 9-10).  Esse era um trecho muito importante na espiritualidade do “pobre de Javé”, que esperavam a chegada do Messias libertador. Nessa esperança situam-se Maria e José e os discípulos de Jesus. Foi dentro dessa espiritualidade que Jesus criado. Um rei jamais entraria em numa cidade montado em um jumento, o animal do pobre camponês, mas um carvalho branco de raça! Jesus fazendo sua entrada assim faz uma releitura de Zacarias, e se identificou com o rei pobre, da paz, da esperança dos pobres e oprimidos. Viria estabelecer uma sociedade diferente da sociedade opressora do tempo de Zacarias, e de Jesus, e de nós!

O povo aclamava Jesus cheio de alegria e esperança como o profeta de Nazaré, o Messias e o Libertador! Certamente para eles, iria libertá-los da escravidão política e econômica imposta arbitrariamente pelos romanos naquela época, além de libertá-los de obrigações religiosas que massacravam a todos devido seus rigores excessivos. Porém, essa mesma multidão, poucos dias depois, manipulada pelas autoridades religiosas acusaria Jesus de ser um impostor, de blasfemar, de falso messias. Então os fariseus e mestres da lei exigiriam de Pôncio Pilatos, governador romano da província da Judéia na época, que o condenasse à morte.

Na celebração do Domingo de Ramos durante a missa proclamamos dois evangelhos: o primeiro, que narra à entrada messiânica de Jesus em Jerusalém e o segundo que proclama a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo. A história da paixão reveste particular solenidade. É aconselhável que seja cantada ou lida segundo o modo tradicional, isto é, por três pessoas que representam a parte de Cristo, do cronista e do povo. No Domingo de Ramos há, na maioria das paróquias, uma procissão antes da missa com o povo carregando palmeiras em memória da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, e depois se segue a celebração da Eucaristia.  Que esta festa reacender a esperança dos excluídos, marginalizados, pobres e oprimidos, com a Igreja assumindo cada vez mais ações concretas na busca da construção do mundo que Deus quer o mundo de verdadeira “Shalom”.

Pe.  Brendan Coleman Mc  Donald, Redentorista.

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card