Atualidades

Daqui para frente é trazer o tema dos despejos e remoções para o centro do debate

O Grito dos Excluídos e Excluídas do Brasil está sendo conclamado a ter como centro dos debates as problemáticas causadas pelos megaprojetos — Copa e Olimpíadas. É a pauta do momento nas doze cidades-sede para o mundial em 2014. E o problema continuará no Rio de Janeiro por muito tempo, até as Olimpíadas 2016.

A experiência do Grito dos Excluídos e Excluídas nascida em 1995, como um gesto concreto da segunda Semana Social Brasileira, realizada pela Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), não pode deixar de ouvir os gemidos, os gritos e os clamores das comunidades atingidas por esses megaeventos.

O nosso compromisso está na escuta e denúncia. Historicamente, o Grito, como também as Semanas Sociais Brasileiras e a Assembleia Popular têm sido consideráveis espaços de congregação das lutas sociais no Brasil. Manter a questão dos megaeventos em nossas pautas alimenta o sentido desses movimentos. Não que seja a única ou mais importante, mas sim porque milhares de famílias estão sendo expulsas pela força policial, com o aparato militar, de suas casas e comunidades. Estão migrando forçadamente para lugares desconhecidos.

O Grito quer clamar por vida e direitos. Quer denunciar a morte, em suas mais variadas faces: dizimação de crianças, jovens, adultos, idosos e a degradação do meio ambiente. Quer, também, denunciar os despejos e remoções geradas pelas intervenções estruturais que compõem o pacote de obras para a Copa do Mundo 2014, como a implementação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), o alargamento de ruas, reformas de estádios. Tais obras ameaçam a vida de cerca de dez mil famílias, integrantes de comunidades dos mais diversos bairros, que poderão ser removidas. O Grito quer denunciar, ainda, a violação dos direitos da população que não tem nenhuma garantia da melhoria na qualidade de vida. Enquanto isso, R$ 9 bilhões do dinheiro público serão gastos com infraestrutura para esse megaevento.

A décima sétima edição do Grito dos Excluídos e Excluídas em Fortaleza acontecerá na comunidade do Lagamar, bairro São João do Tauape. A concentração inicial será, às oito horas, na Praça São Francisco. A caminhada percorrerá algumas ruas do Lagamar, encerrando em frente à Igreja Sagrada Família, Praça Padre Pasquale, bairro Pio XII. Este ano o Grito tem como tema, “Pela Vida grita a TERRA. Por direitos todos nós.” O tema quer dar continuidade às questões levantadas pela Campanha da Fraternidade 2011 cujo tema foi “Fraternidade e Vida no Planeta”.

Comecemos pelo Grito. Para isso, é preciso que as organizações, pastorais e movimentos que organizam o Grito (local e nacionalmente) juntem-se aos comitês populares. A última plenária nacional de articulação dos comitês populares da Copa e Olimpíadas, que aconteceu em Brasília nos dias 27 e 29 de agosto, apontou para essa necessidade, de envolver os diversos setores das organizações populares no Brasil para unir forças e energias, para com as comunidades, resistir a esse sistema gerador de morte, desespero e dor. Então, nós, participantes, articuladores, mobilizadores do Grito dos Excluídos temos o relevante papel de contribuir nessa indispensável articulação.

Francisco Vladimir Lima da Silva
Membro do Serviço Pastoral do Migrante da Arquidiocese de Fortaleza, jornalista

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card