Atualidades

Conduzidos pela mão de Deus

Padre Geovane Saraiva*

Passamos por tempos difíceis e esperamos que a mão do Senhor possa nos conduzir neste mundo com segurança, como na assertiva de Dom Helder: “Quando houver contraste entre a tua alegria e um céu cinzento, ou entre a tua tristeza e um céu em festa, bendiz o desencontro, que é um aviso divino de que o mundo não começa e nem acaba em ti”. Somos chamados a acolher os dons do Espírito de Deus e, com bons olhos, a perceber as dores, angústias e necessidades dos que carregam cruzes pesadas, mas, paradoxalmente, contam com um Deus que é Pai, que, didaticamente, não dispensa o esforço humano, o de mostrar ao mundo os sinais da Sua presença, quando se busca generosidade, justiça e paz.

O nosso outubro missionário aponta para cada criatura humana, imagem e semelhança de Deus. Sendo assim, que os nossos louvores cheguem ao Deus de misericórdia, na sua bondade infinita para conosco, que, ao descer do céu e se fixar no meio de seu povo, garantiu-nos a salvação. Da nossa parte cabe dizer um muito obrigado pelo dom da promoção do mês missionário por parte da Igreja e, igualmente, rendermos graças a Deus por esse generoso trabalho realizado em toda a extensão da Terra.

Deus nos dê a graça da compreensão do único e necessário à nossa vida: viver com ardor o Evangelho de Jesus, sendo fermento de renovação, sem nunca nos distanciarmos da cruz santa do Senhor, dando a entender que temos o mundo como missão. A Igreja Católica é, na sua essência, missionária, e jamais pode prescindir da sua missão e muito menos se fechar em si mesma, diante do clamor humano, apelando para uma causa missionária: “Ide pelo mundo inteiro e pregai o Evangelho a toda criatura” (cf. Mc 16, 15).

Deus, ao revelar seu plano de amor e ternura para com os pobres, doentes e pecadores, sem se esquecer dos fracos, pequenos e excluídos, quer sensibilizar em todos uma resposta generosa, evidentemente pela força transformadora do Evangelho, como nas palavras do santo bispo, Dom Fragoso: “Mulheres e homens crescem quando dão de si mesmos, e não quando estendem as mãos para receber”. Amém!

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pedra rejeitada

56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil

POM celebra 40 anos lançando vídeo institucional

Secretaria de Comunicação da Santa Sé fez cobertura total da 56ª Assembleia

No seu onomástico Papa dá sorvete aos mais necessitados


QR Code Business Card