Atualidades

CNBB e a PEC 241/2016

No dia 27 do mês de outubro, próximo passado, numa coletiva à imprensa, o Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil divulgou nota sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016, apresentado pelo Poder Executivo. A referida Proposta é apresentada como fórmula para alcançar o equilíbrio dos gastos públicos. Porém, para fazer isso a PEC 241 “limita, a partir do ano que vem às despesas primárias do Estado, como a educação, saúde, infraestrutura, segurança, funcionalismo e outros, para os próximos 20 anos”. Os bispos discordam com a Proposta afirmando que é “injusta e seletiva” porque “obriga os trabalhadores e os pobres, justamente aqueles que realmente precisam do Estado para que seus direitos constitucionais sejam garantidos, a pagar a conta do descontrole dos gastos”. Segundo o Cardeal eleito Dom Sérgio da Rocha, Presidente Nacional da CNBB, a PEC 241 “supervaloriza o mercado em detrimento do Estado e garante, ainda, que a mesma é um afronte à Constituição de 1988, que garantem um limite mínimo de investimento nas áreas de saúde e educação”.

Os bispos estão convencidos que é muito importante que esta Proposta de Emenda à Constituição (PEC 241/2016) seja debatida muita mais e de uma maneira mais ampla e democrática. Dom Sérgio da Rocha ainda disse: “É claro que nós bispos temos interesse que os próprios parlamentares conheçam essa reflexão e  posição da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, especialmente o Senado já que a próxima etapa aconteceria lá”. O Vice – Presidente da CNBB, Dom Murilo Krieger,  afirmou que o Senado Federal tem a responsabilidade  de dialogar  amplamente com a sociedade.  “A sociedade não tem uma participação, ela foi colocada diante de uma situação e nem imagina as consequências, que serão duradoras”, e finalizou: “Então, se é uma solução ideal para o Brasil, porque não dialogar e envolver toda a sociedade?”. Talvez as preocupações dos bispos podem ser resumidas assim: “A proposta de Emenda à Constituição, a PEC 241/2016,  é injusta, seletiva, supervaloriza o mercado e afronta a Constituição”.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista e Assessor da CNBB.

padre-Brendan200

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

25.06.2017 Angelus Domini

CNBB lança documento sobre iniciação à vida cristã, aprovado na última Assembleia Geral

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 10,26-33

Pastoral da Sobriedade da Arquidiocese de Fortaleza realizou Semana Nacional de Combate as Drogas 2017

Encontro de Formação para Agentes da PCR que Trabalham com as Mulheres Encarceradas acontece em Fortaleza-CE

QR Code Business Card