Atualidades

“Caminhos de ano novo”

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Viver na esperança
Viver os tempos novos com renovada esperança é o que nos anima no início deste Ano Novo. A espiritualidade cristã nos conduz a esperar cima a de toda esperança (Pe. Zezinho). Esperança não é um atestado de tempos ruins, situações difíceis ou necessidades de mudança. É um pouco mais. Nos tempos mais difíceis, quando se chegava a passagem de ano, ouvíamos: “No ano que vem vai ser melhor”. Não chegamos ainda à perfeição, por isso ainda podemos ter esperanças de coisas melhores. Queremos, contudo, aprofundar mais o conhecimento desta virtude. A esperança é uma virtude teologal dada por Deus. Ela é uma virtude positiva que nos estimula a olhar mais longe e ver a meta para qual conduzimos nossa vida. A esperança é um modo de vida, não a busca de outro modo de vida. A Carta aos Hebreus diz que “fé é um modo de possuir o que se espera, um meio de conhecer as realidades que não se vêem” (Hb 11,1). Esperança é ter já conquistado, mas ainda não apossado. Ela nos ensina a ter, mas não agora. Viver na esperança é um modo que conduz à alegria. Não nos deixa no desconhecimento de nosso futuro, mas na certeza que as promessas de Deus vão se cumprir. A prova que se cumprirão é que Deus já cumpriu tantas promessas e realizou tantos prodígios em nosso favor. O receio que podemos ter é de não conseguir corresponder a tão maravilhoso dom que Deus faz de si mesmo em nossa vida e será eterno, quando vivermos sua vida na glória. Deus realiza grandiosa atração sobre nós para, com Seu Filho, nos encerrar em Seu coração, isto é, na comunhão de Seu amor. A esperança dá sentido à nossa fé e nossa caridade no momento em que vivemos.

Esperança se constrói
Não vivemos de idéias e muito menos de palavras. Temos nossa vida em nossas mãos e ela se realiza na medida em que a colocamos em ação. A vida é um milagre, mas não podemos viver pensando resolver nossos problemas através de milagres. O milagre não é para assumir nosso lugar, mas para nos convocar a assumir a parte da vida que nos compete. A busca do milagre tem mais de egoísmo que de entrega de vida a Deus. Jesus não pediu milagres para Si, mas os fazia pelos outros. O que pediu foi que o Pai o libertasse do sofrimento da morte, mas que não se fizesse a sua, mas a vontade do Pai (Lc 22,42). Construímos a Esperança quando colocamos uma destinação futura às nossas atividades. Saímos de nós mesmos e procuramos o sentido em Deus que assume nossa vida. Construir a esperança é ver onde fundeamos nosso barco. Onde lançamos nossas âncoras. Jesus nos diz de colocar nossas preocupações em Deus. Pensar no dia de hoje. O dia de amanhã se preocupará consigo mesmo (Mt 6,34). Não nos fecha no momento presente, mas coloca nossa segurança em Deus hoje para que amanhã o dia tenha sua plenitude.

Frutos de da esperança
No Natal os Anjos desejaram a Paz cantando “glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens que Ele ama” (Lc ,14). Viver a paz é viver todos os bens. A atitude dos pastores foi ir buscar o que os Anjos anunciaram. O fruto da esperança de Maria é a contemplação de tudo o que estava acontecendo. É uma atitude de abertura ao mistério de Deus presente em nossa vida. A esperança dos Magos busca o Menino e abrem seus tesouros. A generosidade do amor que sai de si para ofertar. Sem oferta não sabemos retribuir o que Deus nos oferece em seu Filho.

Por: Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Festejo do Padroeiro movimenta Paróquia de Cristo Redentor

A Paróquia no bairro Dunas festejará Nossa Senhora de Lourdes com um tríduo

Pascom Região Nossa Senhora dos Prazeres realizou encontro de Planejamento para 2018

Comunidades de Vida Cristã estão em Fortaleza para mais uma edição do “Amar e Servir”

Discursos do Papa Francisco no Chile


QR Code Business Card