Atualidades

Bondade e doação

Por: Padre Geovane Saraiva*

A Igreja sempre contou com a imagem do pelicano, pássaro que na Europa Medieval era considerado animal singularmente zeloso e alimentava os filhotes com o alimento tirado da sua própria bolsa e, se chegasse a faltar alimento, esse pássaro, numa maneira extraordinária e divina de proceder, alimentava os seus filhos com o próprio sangue. Temos o belíssimo comentário de São Jerônimo, sobre o Salmo 102, na seguinte assertiva: “Sou como um pelicano do deserto, aquele pássaro bom que fustiga o peito e alimenta com o próprio sangue os seus filhos”. Ele é o símbolo da obediência da entrega do Filho de Deus, o qual nos convida, com Ele, a nos configurarmos.

Neste tempo precioso da Quaresma, voltemo-nos para a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, nas palavras de Dom Helder Câmara: “Que eu aprenda afinal, com a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, a cobrir de véus o acidental e efêmero, deixando em primeiro plano apenas o Mistério da Redenção”. Que nossa fé na Eucaristia, pão que sacia a vida dos seres humanos, empolgue-nos e fascine-nos não só em momentos circunstanciais da vida, mas que nos leve a um forte e consequente desejo de aprender sempre e cada vez mais a vivermos animados e com a marca esperança, voltando-nos para o bom pelicano, pela renúncia, doação e generosidade.

O pelicano quer representar todos os que abraçam o mistério da salvação, numa atitude totalmente solidária, deixando-se conduzir pelo espírito de Deus, a caminho da glória. Quão enorme é a simbologia do pelicano, isto é, da Paixão de Cristo, na Eucaristia e na autoimolação – o Cordeiro pascal. Esse tipo de ave costumava sofrer de uma doença que o deixava com uma marca vermelha no peito. Outra versão é a de que esse tipo de animal tinha o hábito de matar os seus filhotes e, depois, ressuscitá-los com seu sangue, o que seria análogo ao sacrifício redentor de Jesus, no Seu memorial de morte e ressurreição.

Na nossa disposição sempre renovada de mergulhar em Deus, voltemo-nos para Santo Tomás de Aquino, que asseverou: “O pelicano bom a nos inundar com vosso sangue, sangue no qual, através de uma só gota, quis salvar o mundo inteiro”. Que o pássaro bom, Nosso Senhor Jesus Cristo, na nossa caminhada para a Páscoa, ensine-nos a amar mais a Eucaristia, sacramento no qual Jesus se acha presente, com seu corpo, sangue, alma e divindade, como banquete sagrado!

*Pároco de Santo Afonso, Jornalista, Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Mausoléu do Padre Ângelo Custódio, em Redenção Ce, completa 81 anos!

Tríduo Dom Óscar Romero na Comunidade São José do Parque Santa Rosa

Cardeal Hummes lança livro na Católica de Fortaleza em parceria com a Livraria Paulus 

Papa Francisco nomeia bispo coadjutor para Montenegro (RS)

[Fotos] Caminhada Penitencial 2017

QR Code Business Card