Atualidades

[Artigos] Transfiguração

padre-Brenda200No dia 6 de agosto a Igreja católica celebra Transfiguração do Senhor. A Transfiguração de Jesus está presente em Mateus, Marcos e Lucas, mas cada evangelista trabalhou a seu modo a narrativa dentro dos objetivos específicos de cada um. A mensagem dessa narrativa não é imediatamente clara e fácil de entender porque é transmitida com uma linguagem e através de símbolos que pertencem a uma cultura e a uma época distante de nós. É, portanto, necessário explicar antes de tudo os elementos simbólicos que estão presentes no trecho. A narrativa começa dizendo que Jesus se retirou para uma alta montanha. A Bíblia situa os grandes encontros com Deus em montes, como os de Moisés (Ex.24, 15) e Elias (1Rs 19, 8) e no texto de hoje Pedro, Tiago e João. Mais do que um lugar físico, a montanha ou o monte indica o momento da intimidade com Deus. Embora o texto de hoje não mencione o nome da montanha, a tradição relaciona O Tabor à Transfiguração desde o século lV.  No evangelho de hoje lemos que as roupas de Jesus ficaram brancas, assim manifestando externamente que é Jesus. A cor branca para os israelitas era símbolo do mundo de Deus e também símbolo de festa, de alegria, de felicidade. É interessante notar que a Liturgia Bizantina expressa muito mais a teofania contida nesta festa de hoje do que a Liturgia Romana.

Os dois personagens Elias e Moisés, que apareceram com Jesus eram figuras destacadas do Antigo Testamento. O primeiro era o grande profeta que todos julgavam não ter morrido por ter sido arrebatado ao céu (2Rs 2,11-12), era visto como o pai do profetismo. O outro Moisés era considerado como o patrono da Torá, da Lei. As três tendas que Pedro quer construir têm um sentido simbólico importante. Em Israel celebrava-se em todo final de ano, como encerramento das colheitas, uma grande festa que se prolongava por uma semana e que era conhecido como a “festa das tendas”. Ao pedir para edificar três tendas Pedro refere-se exatamente a esse sentido simbólico das tendas. A nuvem e a sombra são imagens no Antigo Testamento para sinalizar a presença de Deus. Vinda da nuvem, a voz de Deus designa Jesus como o “Filho de Deus” e que podemos confiar no que Ele diz, “Escutai o que Ele diz” (Mc 9, 7).

O mais importante de tudo é o testemunho do Pai afirmando que Jesus é uma pessoa em que podemos crer. É preciso escutar Jesus, pois sua mensagem descortina o mistério de Deus; é preciso escutar o Senhor, pois só Ele tem “palavras da vida eterna”. A transfiguração de Jesus nos ajuda a compreender que aquele que vai sofrer a paixão e ser glorificado é o Filho de Deus que se encarnou para a nossa salvação. O que sustenta nossa vocação cristã, o que sustenta nossa fé é a graça da ressurreição do Senhor. O sofrimento e a morte não são a última palavra. O Senhor, ressuscitado dos mortos, venceu o mal e a morte: glorioso, nos faz participantes de sua vitória. “Nossa vocação é para sermos também transfigurados em Cristo. Nosso rosto deve refletir a luz de Cristo e, ver nos rostos dos irmãos, principalmente os mais pobres, o rosto de Cristo resplandecente” (Deus Conosco, agosto, 2015, p.39).

“Ao descerem da montanha Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos”. Jesus os descerá do monte para as tarefas diárias da vida. E os discípulos precisarão compreender que a abertura ao Deus transcendente não pode nunca ser fuga do mundo (cf. Pagola, 2014, Marcos, p.175).

                                              Pe. Brendan Coleman Mc Donald –Redentorista.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card