Atualidades

[ARTIGOS] Santa Maria, Mãe de Deus

Perfil_Iury200Caríssimos, no início do ano a Igreja celebra a festa da Santa Mãe de Deus, Maria Santíssima. Uma festa que nos induz providencialmente, a iniciar um novo ano nos consagrando a Santa Mãe do Verbo Encarnado. Poderíamos entender logicamente que Maria é Mãe de Deus vendo que nasceu dela o Filho de Deus, feito carne; mas vamos entender um pouco o que a Igreja nos ensina sobre esta Maternidade Divina de Maria.

A Igreja, no Catecismo “denomina ‘Encarnação’ o fato de o Filho de Deus ter assumido uma natureza humana para realizar a nossa salvação” (CIC n.461, linha 2), e como nos diz São João no seu Evangelho: “O verbo se fez carne” (Jo 1,14) Nisto, o Verbo que era Deus se fez homem em Jesus Cristo, sem deixar de ser Deus. Jesus é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, como nos ensina mais uma vez o Catecismo:

“O acontecimento único e totalmente singular da Encarnação do Filho de Deus não significa que Jesus Cristo seja em parte Deus e em parte homem, nem que ele seja o resultado da mescla confusa entre o divino e o humano. Ele se fez verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem” (CIC n.464).

A Igreja nos seus primeiros séculos, nos Concílios defendia firmemente, desmascarando as heresias, essa realidade de Deus ter se encarnado em seu Filho Jesus Cristo. Diante da heresia nestoriana que dizia ver em Cristo uma pessoa humana unida à pessoa do Filho de Deus, S. Cirilo de Alexandria e o III Concílio Ecumênico rebateram esta heresia dizendo que:

“‘O Verbo, unindo a si em sua pessoa uma carne animada por uma alma racional, se tornou homem’. A humanidade de Cristo não tem outro sujeito senão a pessoa divina do Filho de Deus, que assumiu e a fez sua desde a concepção” (CIC n.466, linha 4).

Maria Santíssima é Mãe de Deus porque Jesus Cristo, o Verbo feito carne, nasceu dela. Ela concebeu em seu seio virginal pelo o Espírito Santo o Filho de Deus, como nos mostra o Concílio de Éfeso proclamando no ano 431, e relata para nós o Catecismo:

“Mãe de Deus não porque o Verbo de Deus tirou dela sua natureza divina, mas porque é dela que tem o corpo sagrado dotado de uma alma racional, unido ao qual, na sua pessoa, se diz que o Verbo nasceu segundo a carne” (CIC n.466, linha 10).

Diz-nos ainda São Basílio de Selêucia (séc. V): “Corpo sagrado que abrigava o Senhor! Em Maria foi anulada a constatação de nosso pecado, pois foi nela que Deus se fez homem, permanecendo Deus. Ele quis submeter-se a esta gravidez, e se humilhou ao nascer como nós; sem abandonar o seio do Pai, satisfez-se com os afagos de sua mãe”².

São Tomás de Aquino também nos diz: “A Santíssima Virgem, foi escolhida para ser Mãe de Deus e para tanto o Altíssimo capacitou-a certamente com sua graça. Antes de ser Mãe foi Maria, por conseguinte, adornada de uma santidade tão perfeita, que a pôs à altura dessa grande dignidade”³.

Celebremos neste dia, esta grande festa com alegria e amor à Santa Mãe de Deus. Maria é mãe de Deus, segundo a humanidade porque Deus se fez homem em Jesus Cristo, nosso irmão, e isto sem deixar de ser Deus, nosso Senhor. Sendo Jesus inseparavelmente verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Isso é o que a Igreja confessa, isso é o que a Igreja crer e ensina.

Por Iury Nascimento, seminarista da Arquidiocese de Fortaleza

Referências:

01. CIC – Catecismo da Igreja Católica

02. Lecionário Patrístico Dominical, São Basílio de Selêucia (séc. V); Sermão 39,4-5.

03. São Tomás de Aquino, A eleição de Maria para Mãe do Divino Verbo. Trecho do Livro: Glórias de Maria.

Compartilhe

Subir

2 Comentários »

2 Comentários »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,19-21

Programa Igreja no Brasil nº 255

A gramática do povo de Deus

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,16-18

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 20,1-16a


QR Code Business Card