Atualidades

[ARTIGOS] Pastoral Líquida

padre-Brendan200No excelente periódico VIDA PASTORAL publicado pela editora Paulus,  março-abril de 2015, Ano 56, Número 302, há dois artigos que, a meu ver,  serão muito úteis aos padres e seminaristas. O primeiro artigo é titulado “A modernidade líquida e a vida humana transformada em objeto de consumo”, da autoria de Eliton Fernando Felczak, e o segundo “Nossa ‘pastoral líquida’ e a ‘nova paróquia’ que queremos”, da autoria de Pe. Nicolau João Bakker, svd. Os dois artigos são inspirados nos pensamentos e escritos de Zygmunt Bauman, o grande filósofo, sociólogo e pensador polonês da atualidade. Num prefácio de seu artigo, Felczak  apresenta um resumo do pensamento de Zygmunt Bauman assim: “A atualidade é conceituada por Zygmunt Bauman como ‘modernidade líquida’, pela incapacidade de manter a forma. As relações, instituições, quadros de referência, estilos de vida, crenças e convicções mudam antes que tenham tempo de se solidificar. Nesse contexto, as vidas humanas são transformadas em objetos de consumo. O ser humano deixa de ser sujeito e passa a ser objeto na relação de compra e venda”. Bauman reflete sobre Ética e a Moral Pós-Moderna. Qual é a função da Ética no momento presente? É possível pensar numa moralidade sem ética? Estaria a moralidade com os dias contados? Ele demonstra a necessidade de se caracterizar a Ética na Pós-Modernidade como a Era da Moral. Nossa era,  sugere ele pode ainda representar uma alvorada e não um entardecer para a Ética.

Pe. Bakker num prefácio ao seu artigo escreve: “Desde o início do segundo milênio, nossa Igreja sempre se apresentou como uma instituição sólida, hierarquicamente bem estruturada, com limites geográficos bem definidos, com um governo central de poderes amplos e incontestáveis, com doutrinas e normas universais rígidas. A modernidade e a chamada “pós-modernidade” arranharam esse modelo por todos os lados. Procurando pistas para situar-se diante desse contexto, é importante valorizar o legado do Vaticano ll”. Bakker afirma: “…as instituições tradicionais e os padrões comuns de comportamento perderam sua capacidade de pautar as rotinas individuais, pois tudo ‘se dissolve’ no grande ‘ viveiro de incertezas’ que marca nossa modernidade avançada”. Por isso ele pergunta da eclesiologia “sólida” para a eclesiologia “líquida” que Igreja queremos? Até recentemente a Igreja foi marcada por uma única eclesiologia. Sua verdade é única, sua lei e sua conduta impecáveis. Uma Igreja mais “sólida” é difícil imaginar. Agora este modelo está sendo arranhado pela Razão humana. Segundo Bakker nos tempos recentes os teólogos da Igreja estão partindo cada vez mais não da autoridade doutrinal eclesiástica, mas “da própria racionalidade científica”. No fim de um eloquente parágrafo sobre oVaticano ll o autor afirma: “Na modernidade a Igreja da ‘Tradição’ cede lugar à Igreja da ‘opção’, e as opções eclesiológicas, hoje, são muitas”. Um verdadeiro supermercado. As CEBS recebem uma análise muito especial no artigo, e o autor nos lembra com referência ao Doc. 25 da CNBB que “nenhuma CEB é Igreja quando isolada das demais. A Igreja é “comunhão na sua essência… mas apenas a diocese é comunidade de comunidades”. Bakker sugere em lugar de CEBs locais que é possível pensar em CEBs “regionais”. As seguintes duas frases do artigo me impressionam e nos obrigam a pensar e refletir: a) “É simplesmente inviável setorizar as paróquias e criar ampla redes de comunidades dentro dela sem nova abordagem teológica e pastoral do ministério ordenado”. b) A “nova paróquia” que a CNBB propõe exige dos atuais padres que se transformem em super-homens. Uma ilusão. Muito mais realista – além de mais evangélico – é retomar a tradição original e entregar a “direção” das comunidades, ainda que seja de forma temporária, às mãos de homens e mulheres “de boa reputação e repletos do Espírito e de sabedoria”. O artigo termina com um parágrafo titulado “Apostemos no papa Francisco”.  O autor lembra que na sua Exortação Apostólica Evangelii Gaudium,  o papa quer governar de acordo com o princípio conciliar da colegialidade inclusive dando mais autonomia às Conferências Episcopais.  Com o papa Francisco há esperança para o futuro.

                                         Pe. Brendan Coleman Mc Donald – Redentorista

 

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card