Atualidades

[ARTIGOS] Padre por medo do inferno

geovane200Por Padre Geovane Saraiva*

O Santo Padre, o Papa Francisco, no Natal de 2013, diante do presépio na Basílica de São Pedro, assim se expressou: “Rezemos de modo especial por aqueles que sofrem perseguição por causa da Fé”. Em 19/10/2013 também disse que:  “Seguir a Jesus quer dizer dar-Lhe o primeiro lugar, despojando-nos das muitas coisas que sufocam o nosso coração”. A incomensurável  grandeza de alma do Papa Francisco faz-me lembrar do menino Léo Arlindo, o qual por medo do inferno, lugar pra onde, segundo sua convicção, não iriam as almas dos sacerdotes. Isso o levou a fortalecer a sua vocação religiosa e sacerdotal. Em 1942 entra no noviciado dos Franciscanos em Taquari, na Província do Rio Grande do Sul e lá iniciou o curso de Filosofia. Já em 1944 foi transferido para o convento Santo Antônio, em Divinópolis-MG, onde concluiu Filosofia e cursou Teologia.

O Senhor Deus colocou na mente e no coração do menino Léo Arlindo uma vida santa e divina e a fez de relevantes planos. Estamos falando de Dom Aloísio Cardeal Lorscheider. Doçura em pessoa, alegria constante. De posições corajosas e determinadas, ao mesmo tempo que pregava e anunciava o Evangelho com sabedoria. Carregou sempre no seu grande coração, as alegrias, as esperanças, as tristezas, as angústias e os sofrimentos de sua querida gente (cf. GS, 200). Além de travar, sem jamais se cansar, uma luta pela redemocratização, pela liberdade de expressão, pela dignidade da pessoa humana e pelo fim da tortura em nosso querido Brasil. Com o mesmo sentimento e a coerência do Cardeal Lorscheider, Francisco rezou assim: “Senhor, dai-nos a graça de chorarmos pela nossa indiferença, pela crueldade que existe no mundo e em nós”.

O Papa Francisco, embora jesuíta, profundamente marcado pelo espírito de Santo Inácio de Loyola, ao assumir o comando da Igreja Católica aos 13 de março de 2013, tornou-se por opção em um rigoroso projeto de vida, um filho de Francisco de Assis, a exemplo daquele que quase ficou papa, o Cardeal Lorscheider, que sobre o Pobrezinho de Assis  assim se expressou: “Sempre fiquei muito impressionado e atraído pelo amor quente e apaixonado que São Francisco dedicava a Deus. Parece que no beijo do leproso ele entendeu, como Saulo no caminho de Damasco, a doação total de Deus a nós em seu Filho Jesus Cristo. Custou a Francisco não só descer do cavalo fogoso que no momento montava, mas muito mais descer do cavalo do orgulho e da vaidade com que ele queria conquistar o título de grande e nobre” (Grande Sinal, 1982).

Com enorme sensibilidade e ternura, mas sem esquecer a profecia, soube levantar sua voz em nome de Deus para denunciar as injustiças gritantes, presentes na vida dos brasileiros, frente a uma sociedade que, tendo se acostumado com a miséria como algo natural, se tornava insensível aos sofrimentos humanos (cf. Manfredo Oliveira). Foi o Cardeal que mais se destacou em todos os Conclaves e Sínodos, dos quais participou, gerando sempre para o mundo inteiro e, especialmente para a imprensa, uma grande expectativa, com sua palavra corajosa e profética, a qual era acolhida por todos como uma boa notícia, como uma dádiva que descia do céu!

As opções e raízes da espiritualidade franciscana, comuns entre o falecido Cardeal e nosso bom Papa Francisco são muito notáveis, como por exemplo nesta súplica do Papa Francisco por uma Igreja que cuida da Criação: “Nós somos guardiões da Criação, do projeto de Deus inscrito na natureza, guardiões do outro, do meio ambiente. A pessoa humana está em perigo: eis aqui a urgência da ecologia humana!”.

Concluo com as próprias palavras do Cardeal Lorscheider e de Francisco: “São Francisco ajuda-nos a redescobrir a verdadeira imagem de Deus e a graça salvadora de Deus que se manifestou a todos os homens” (cf. Tt 2,11). É nesta imagem bíblica de Deus, assimilada por São Francisco, que se deve procurar a sua devoção à Encarnação do Verbo (presépio), ao Santíssimo Sacramento, à Palavra de Deus, aos Sacerdotes e à Cruz do Senhor”. Jamais podemos prescindir do milagre da fé e da esperança de um Deus que “sonha comigo, pensa em mim! Eu estou na mente e coração dele, que o Senhor é capaz de mudar a minha vida e comigo faz relevantes planos”. Amém!

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card