Atualidades

[ARTIGOS] O resgate dos abandonados e esquecidos

geovane200Padre Geovane Saraiva*

Não tenho dúvida de que a missão do Santo Padre, o Papa Francisco, é de ensinar a reavivar o dom da fé e reacender a esperança, proclamando em alta voz aos empobrecidos, dizendo-lhes que são chamados a sonhar com um projeto restaurador de vida, estendido a casa comum, o planeta, fundamentado na Boa Nova de Nosso Senhor Jesus Cristo. Os empobrecidos, embora frágeis, contam com a proposta do Augusto Pontífice, um aliado de peso incomparável, pelo seu terno convite de pai, a resistirem com coragem e firmeza aos sofrimentos e perseguições. Daí a atenção de todos para as palavras do Santo Padre: “Acho que Francisco é o exemplo por excelência do cuidado pelo que é frágil e por uma ecologia integral, vivida com alegria e autenticidade. É o santo padroeiro de todos os que estudam e trabalham no campo da ecologia, amado também por muitos que não são cristãos” (cf. Laudato Si, 10).

O Papa Francisco, no seu dadivoso presente oferecido à humanidade, a Carta Encíclica sobre o cuidado da casa comum, eleva súplicas ao bom Deus, tão fervorosas quanto proféticas: “Ó Deus dos pobres, ajudai-nos a resgatar os abandonados e esquecidos desta terra que valem tanto aos vossos olhos. Curai a nossa vida, para que protejamos o mundo e não o depredemos, para que semeemos beleza e não poluição nem destruição. Tocai os corações daqueles que buscam apenas benefícios à custa dos pobres e da terra. Ensinai-nos a descobrir o valor de cada coisa, a contemplar com encanto, a reconhecer que estamos profundamente unidos com todas as criaturas no nosso caminho para a vossa luz infinita. Obrigado porque estais conosco todos os dias. Sustentai-nos, por favor, na nossa luta pela justiça, o amor e a paz”.

Sentir compaixão diante da dor de uma multidão de irmãos, a qual clama por dignidade, solidariedade e misericórdia, é sinal evidente da percepção da dor e da angústia humana, ao dizer não à indiferença, no exemplo que vem do Filho de Deus, sensível às suas necessidades em todas as circunstâncias, a ponto de tomar para si suas humilhações, ao ver aquela multidão marcada pelo sofrimento (cf. Mc 6, 34). A propósito, a forte e bela palavra compaixão, foi destaque na alocução do Santo Padre, precedida da Oração do Angelus, na Praça São Pedro, agradecendo ao bom Deus pela viagem ao Equador, Bolívia e Paraguai, ao mesmo tempo em que falou das “grandes potencialidades humanas e espirituais” do continente latino-americano, dando grande importância as palavras cheias de encanto do Bom Pastor – ver, ter compaixão e ensinar – presentes no Evangelho de Marcos proposto pela liturgia do domingo (19/07/2015). “O continente guarda valores cristãos profundamente radicados, mas vive também graves problemas sociais e econômicos. Para contribuir para a sua solução, a Igreja está comprometida em mobilizar as forças espirituais e morais de suas comunidades, colaborando com todos os componentes da sociedade”.

O Papa Francisco já na sua profética Encíclica Evangelii Gaudium, de importância incomensurável, apontou com sabedoria o maior de todos os desafios da humanidade, visível e concreto, na ideologia ou ídolo do dinheiro: “Uma das causas desta situação está na relação estabelecida com o dinheiro, porque aceitamos pacificamente o seu domínio sobre nós e sobre as nossas sociedades” (cf. EG, 55). Situação esta a causar prejuízo sem precedentes à criatura humana, imagem e semelhança de Deus e na própria natureza, sempre mais desfiguradas e aqui se fazem oportunas as palavras do Santo Padre, a respeito do Pobrezinho de Assis: “Manifestou uma atenção particular pela criação de Deus e pelos mais pobres e abandonados. Amava e era amado pela sua alegria, a sua dedicação generosa, o seu coração universal. Era um místico e um peregrino que vivia com simplicidade e numa maravilhosa harmonia com Deus, com os outros, com a natureza e consigo mesmo. Nele se nota até que ponto são inseparáveis a preocupação pela natureza, a justiça para com os pobres, o empenhamento na sociedade e a paz interior” (cf. Laudato Si, 10).

Estou seguramente convicto que é Deus mesmo que nos convoca a ler este documento, Laudato Si, mas dentro de um espírito de profunda e estreita sintonia com o projeto de Deus Pai, que se manifestou ao mundo em seu Filho e, hoje, revela-se aos homens de boa vontade, no Papa Francisco, pelo peso da força e importância mística, beleza ética e espiritual do documento Laudato Si, totalmente voltado para Francisco de Assis: “O seu testemunho mostra-nos também que uma ecologia integral requer abertura para categorias que transcendem a linguagem das ciências exatas ou da biologia, e nos põem em contato com a essência do ser humano. A sua reação ultrapassava de longe uma mera avaliação intelectual ou um cálculo econômico, porque, para ele, qualquer criatura era uma irmã, unida a ele por laços de carinho. Por isso, sentia-se chamado a cuidar de tudo o que existe. São Boaventura, seu discípulo, contava que ele, enchendo-se da maior ternura ao considerar a origem comum de todas as coisas, dava a todas as criaturas – por mais desprezíveis que parecessem – o doce nome de irmãos e irmãs” (cf. Laudato si, 11). Amém!

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card