Atualidades

[ARTIGOS] O povo Deus se alimenta do pão do céu

geovane200Por Padre Geovane Saraiva*

“Quando as palavras somem, quando os cuidados adormecem, quando nos entregamos, de verdade, nas mãos do Senhor, o grande silêncio nos mergulha na paz, na confiança, na alegria… E a voz de Deus se faz ouvir” (Helder Câmara). A intimidade do místico Dom Helder Câmara com Deus nos revela um caráter missionário da Igreja Católica, como o papa Francisco tão bem recordou (em 17 de setembro de 2014), nestes termos: “Somos mandados a anunciar Cristo e seu amor a toda a humanidade”, disse, recordando a vida heroica de tantos missionários e missionárias que deixaram seu país para ir anunciar o Evangelho em outros países e continentes. Deus que fez tudo por amor e também cuida da sua obra, é Ele quem envia os missionários como seus colaboradores, no imperativo “Ide pelo mundo inteiro e pregai o Evangelho a toda criatura” (cf. Mc 16,15).

O clamor missionário da Igreja penetrou no coração do mundo no decorrer dos séculos em toda sua plenitude, em especial, na figura exemplar do apóstolo Paulo, com todo seu ardor e compromisso, através do anúncio do Evangelho, muito claro na seguinte afirmação: “Ai de mim, se eu não evangelizar!” (cf. Cor 9, 16). Chamado e convocado pelo Senhor ressuscitado, a caminho de Damasco, para a missão de ser mestre dos gentios ou doutor dos pagãos, Paulo, uma vez recuperado, compreendeu o preço de ser seduzido por Nosso Senhor Jesus Cristo, como tão bem diz São Pedro: “Foste resgatado não das coisas corruptíveis, ouro ou prata, mas pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e sem defeito algum” (cf. 1Pe 1, 18).

Tendo Paulo como exemplo e referência de vida, somos convidados pelo mesmo Deus que entrou em cheio na vida do mestre das nações a construir e edificar o reino, mesmo com os nossos pecados.  As fontes nas quais devemos buscar forças para fecundar nossa vida são a Palavra de Deus e a Eucaristia. E por falar em Eucaristia, é nosso dever saber sempre mais, que a mesma está em união, em um mistério indizível, com Cristo Deus e Homem e quão enorme deve ser nosso amor, respeito e devoção com Esse sacramento; sem esquecer jamais que “quem comer deste pão viverá eternamente e ressuscitará gloriosamente no último dia” (cf. Jo 6, 54).

O papa Francisco, nas suas celebrações eucarísticas matinais, como ajuda a humanidade a entrar em um clima de fé e esperança sempre maior, só para ser mais concreto, em 06 de agosto de 2014, expressou-se assim: “Na Eucaristia, comunica-se o amor do Senhor por nós: um amor tão grandioso que nos nutre com Ele mesmo; um Amor gratuito, sempre à disposição de cada pessoa faminta e necessitada de regenerar as próprias forças. Viver a experiência da fé significa deixar-se alimentar pelo Senhor e construir a própria existência não sobre os bens materiais, mas sobre a realidade que não perece; os dons de Deus, a sua Palavra e o seu Corpo”.

Como aprender da Eucaristia, sacramento divino? Temos o dogma da transubstanciação, no qual se fundamenta todo o edifício eucarístico, como sacrifício do Cordeiro de Deus, também como sacramento. É importante que fique sempre claro que a substância do pão no corpo de Jesus e do vinho no mesmo sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo permanecem inalteradas nas espécies do pão e do vinho. Ora, devemos de modo sobrenatural, transformar-nos em Cristo como o pão se transforma no corpo de Cristo e o vinho no Seu sangue.

É com enorme sabedoria que o Cardeal Aloísio Lorscheider explica o mistério da transubstanciação: “Essa transformação deve, sobretudo, ser interna, uma vez que as espécies se conservam inalteradas. É o íntimo que deve tornar-se outro”. O Deus que nos ama de modo incondicional, e que demonstrou esse imenso amor para conosco, ao enviar o seu Filho Unigênito, encarnado no seio da boa mãe Maria, quer nosso reconhecimento alegre e agradecido, pelo dom da palavra de Deus e da Eucaristia,  que sejam traduzidos em gestos concretos de fraternidade e solidariedade.

Somos chamados a dar graças ao Deus altíssimo, terníssimo e boníssimo, ao favorecer-nos na maravilhosa obra da criação e mais ainda na redenção. Que nossa fervorosa oração de súplica e louvor, na excelsa e divina festa da Eucaristia – Corpus Christi, suba ao céu na intenção do ‘Servo de Deus, Dom Helder Câmara’, no seu acendrado amor à Eucaristia, desejosos de vê-lo beatificado e canonizado, o qual iniciou sua vida de padre em estreita comunhão com Jesus eucarístico, no exemplo do seu santinho da ordenação sacerdotal (15/08/1931) através do qual assim se manifestou: “Angelorum esca nutrivisti populum tuum” – teu povo se alimenta do pão do céu.

Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Na celebração do I Dia Mundial dos Pobres Arquidiocese lança a 9ª Festa da Vida

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018


QR Code Business Card