Atualidades

[Artigos] O mundo restaurado em Cristo

Padre Geovane Saraiva*

geovane200Na oração pelo planeta Terra, no final da Encíclica Laudato Si’, vemos o Santo Padre totalmente envolvido com o cuidado da casa comum, de tal modo que todos sejam atingidos e, como resultado, que tudo seja restaurado: “Ensinai-nos a descobrir o valor de cada coisa, a contemplar com encanto, a reconhecer que estamos profundamente unidos com todas as criaturas no nosso caminho para a vossa luz infinita. Obrigado porque estais conosco todos os dias. Sustentai-nos, por favor, na nossa luta pela justiça, o amor e a paz”. Como é imprescindível olhar o Livro Sagrado, em especial, para o Novo Testamento, a partir da pessoa de Jesus de Nazaré, porque nele a esperança tornou-se uma expectativa de confiança, de proteção e de bênção de Deus, indicando o caminho celestial com a criatura humana, cada dia tornando-se mais humano e a Terra, que é dádiva de Deus, mais habitável e generosa, no seu papel de cumprir as promessas da aliança, em que fé e esperança caminham intimamente entrelaçadas.

É  com esse mesmo espírito que associamo-nos ao Romano Pontífice, na sua alocução antes da oração mariana do Angelus, dirigindo-se aos milhares de fiéis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, ao comentar o Evangelho da missa do 21º Domingo do Tempo Comum (23/08/2015). Na expressão, logo no início do Evangelho: “Esta palavra é dura. Quem pode escutá-la?” (cf. Jo 6, 60), a palavra de Jesus causa decepção no povo e mesmo nos discípulos. A partir daquele momento, Jesus percebe que “muitos dos seus discípulos haviam desistido e perante estas deserções, Jesus não poupa e nem atenua as suas palavras, ao contrário, obriga a fazer uma escolha precisa: ou estar com Ele ou separar-se d’Ele, e diz aos Doze: Também vós quereis ir embora? E é então quando São Pedro faz a sua confissão de fé em nome dos outros Apóstolos: “Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna”.

A vida humana, segundo Santo Agostinho, na sua preciosa obra, A Cidade de Deus, se desenvolve entre duas grandes forças, dois dramáticos e contrastantes amores, a saber: “Dois amores edificaram duas cidades: o amor-próprio, levado pelo desprezo a Deus, a cidade terrena; o amor a Deus, levado ao desprezo de si próprio, a cidade celestial”. Vemos, pois, que o primeiro gira em torno de si próprio e o segundo é evidente que gira em torno de Deus. Que a resposta de Pedro, “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna”, ajude-nos a compreender que o sonho de Deus Pai é de um mundo novo, restaurado no amor. Daí contarmos sempre mais com sua bondade infinita, no dizer do Santo Padre em Aparecida: “Conservar a esperança, deixar-se surpreender por Deus, viver na alegria” (24/07/2013). Nascemos para uma missão: de viver com esperança o sonho do Pai, que também é nosso, no dizer de Dom Helder: “Missão é partir, caminhar, deixar tudo, sair de si, quebrar a crosta do egoísmo que nos fecha no nosso Eu. É não se deixar bloquear nos problemas do pequeno mundo a que pertencemos: humanidade é maior (…)”, na expectativa dos bons frutos aqui e na vida futura, na ressurreição definitiva junto de Deus, naquele presente muito eterno e feliz! “Tenho para mim que as aflições deste tempo presente não se podem comparar com a glória que em nós há de ser revelada, porque a criação aguarda com ardente expectativa a revelação dos filhos de Deus” (cf. Rm 8, 18-19).

Daquela interrogação de Pedro, entendemos que a fidelidade a Deus é uma questão de fidelidade a uma pessoa, e essa pessoa é Jesus, segundo o Sumo Pontífice: “Tudo o que temos no mundo não satisfaz a nossa fome de infinito. Precisamos de Jesus, de estar com Ele, de nos alimentar à sua mesa, das suas palavras de vida eterna! Crer em Jesus significa fazer d’Ele o centro, o sentido da nossa vida. Cristo não é um acessório opcional, é o ‘pão vivo’, o alimento essencial”.

Deus nos dê a graça de sempre compreender e viver das palavras de vida eterna,  no rigor espiritual e poético do Servo de Deus, Dom Helder Câmara: “Aceita as surpresas que transformam teus planos, derrubam teus sonhos, dão rumo totalmente diverso ao teu dia e, quem sabe, à tua vida. Não há acaso. Dá liberdade ao Pai para que ELE mesmo conduza a trama dos teus dias”. Assim seja!

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card