Atualidades

[ARTIGOS] O abraço da Paz na Missa

padregilson200A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou uma Carta circular no dia 08 de junho de 2014, solenidade de Pentecostes, sobre o significado ritual do dom da paz na Missa.

Antes de enfrentar a paixão, Jesus prometeu aos discípulos, reunidos no Cenáculo “deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz” Jo 14,27.

Depois de sua ressurreição, o Senhor retoma “a paz esteja convosco” Jo 20, 19-23. O sinal da paz se encontra na celebração litúrgica entre o Pai Nosso e a Fração do Pão.

Os fiéis expressam a mútua caridade, antes da comunhão sacramental, conforme o Missal Romano, em sua terceira edição típica de 20 de abril de 2000.

O Papa Bento XVI destacou o verdadeiro sentido do rito e do sinal da paz, renovando o convite para cuidar este rito e para realizar este sinal litúrgico com sentido religioso e sobriedade.

O próprio Dicastério dirigiu-se às Conferências Episcopais do mundo inteiro, em maio de 2008, pedindo parecer sobre se manter o sinal da paz antes da comunhão ou se mudá-lo a outro momento, para uma melhor compreensão.

Sem dúvidas, o tema é importante, buscando o significado correto do rito da paz.

Uma frutuosa participação na Eucaristia não significa exibir-se, showmissa e muito menos certas criatividades que não correspondam às orientações previstas, chegando a excessos e abusos, suscitando confusão na assembléia litúrgica.

A Eucaristia é por sua natureza Sacramento da Paz, por isso é fundamental haver uma oportuna catequese, conhecer as linhas orientativas e manter o clima orante,.
Não é necessário convidar “mecanicamente” para se dar a paz.

Torna-se conveniente e até pedagogicamente não realizar o Abraço da Paz em determinadas ocasiões.

Veja-se o modelo de se dar a paz, conforme a orientação das Conferências, no nosso caso a CNBB, através da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia.
Evitem-se alguns abusos como:

a) Canto da paz, inexistente no Rito Romano, que prevê um tempo brevíssimo para dar a paz somente aos que estiverem mais perto, podendo haver acompanhamento de um instrumental.
b) Deslocamento dos fiéis para trocar a paz.
c) O sacerdote abandonar o presbitério para dar a paz a alguns fiéis, alterando a celebração.
Cristo é a nossa paz, conforme Efésios 2,14.
Avancemos na formação litúrgica e espiritual e na oportuna catequese aos fiéis, com a dinâmica da Iniciação à Vida Cristã.
O Papa Francisco não só aprovou, mas confirmou o que se contem nesta Carta circular.

Por Pe. Gilson Marques Soares
Arquidiocese de Fortaleza
e Assessor para a CNBB Regional NE 1

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Festejo do Padroeiro movimenta Paróquia de Cristo Redentor

A Paróquia no bairro Dunas festejará Nossa Senhora de Lourdes com um tríduo

Pascom Região Nossa Senhora dos Prazeres realizou encontro de Planejamento para 2018

Comunidades de Vida Cristã estão em Fortaleza para mais uma edição do “Amar e Servir”

Discursos do Papa Francisco no Chile


QR Code Business Card