Atualidades

[ARTIGOS] O abraço da Paz na Missa

padregilson200A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou uma Carta circular no dia 08 de junho de 2014, solenidade de Pentecostes, sobre o significado ritual do dom da paz na Missa.

Antes de enfrentar a paixão, Jesus prometeu aos discípulos, reunidos no Cenáculo “deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz” Jo 14,27.

Depois de sua ressurreição, o Senhor retoma “a paz esteja convosco” Jo 20, 19-23. O sinal da paz se encontra na celebração litúrgica entre o Pai Nosso e a Fração do Pão.

Os fiéis expressam a mútua caridade, antes da comunhão sacramental, conforme o Missal Romano, em sua terceira edição típica de 20 de abril de 2000.

O Papa Bento XVI destacou o verdadeiro sentido do rito e do sinal da paz, renovando o convite para cuidar este rito e para realizar este sinal litúrgico com sentido religioso e sobriedade.

O próprio Dicastério dirigiu-se às Conferências Episcopais do mundo inteiro, em maio de 2008, pedindo parecer sobre se manter o sinal da paz antes da comunhão ou se mudá-lo a outro momento, para uma melhor compreensão.

Sem dúvidas, o tema é importante, buscando o significado correto do rito da paz.

Uma frutuosa participação na Eucaristia não significa exibir-se, showmissa e muito menos certas criatividades que não correspondam às orientações previstas, chegando a excessos e abusos, suscitando confusão na assembléia litúrgica.

A Eucaristia é por sua natureza Sacramento da Paz, por isso é fundamental haver uma oportuna catequese, conhecer as linhas orientativas e manter o clima orante,.
Não é necessário convidar “mecanicamente” para se dar a paz.

Torna-se conveniente e até pedagogicamente não realizar o Abraço da Paz em determinadas ocasiões.

Veja-se o modelo de se dar a paz, conforme a orientação das Conferências, no nosso caso a CNBB, através da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia.
Evitem-se alguns abusos como:

a) Canto da paz, inexistente no Rito Romano, que prevê um tempo brevíssimo para dar a paz somente aos que estiverem mais perto, podendo haver acompanhamento de um instrumental.
b) Deslocamento dos fiéis para trocar a paz.
c) O sacerdote abandonar o presbitério para dar a paz a alguns fiéis, alterando a celebração.
Cristo é a nossa paz, conforme Efésios 2,14.
Avancemos na formação litúrgica e espiritual e na oportuna catequese aos fiéis, com a dinâmica da Iniciação à Vida Cristã.
O Papa Francisco não só aprovou, mas confirmou o que se contem nesta Carta circular.

Por Pe. Gilson Marques Soares
Arquidiocese de Fortaleza
e Assessor para a CNBB Regional NE 1

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Visita Pastoral na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, Maranguape

II Romaria Bíblica e encontro sobre contabilidade na Região São Pedro e São Paulo

Palestras sobre o tema Comunicação na Faculdade Católica de Fortaleza

Convite de Dom José Antonio – Simpósio Arquidiocesano no Ano Mariano

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,1-3


QR Code Business Card