Atualidades

[Artigos] Mudar para não virar peça de museu

geovane200No Cântico das Criaturas, vemos um Francisco de Assis amando e respeitando a criatura humana e, ao mesmo tempo, protegendo animais e plantas, chamando-os, com a maior ternura, de irmãos e irmãs. A chuva, o vento, o fogo e tudo mais, para ele, deveriam ser carinhosamente tratados e respeitados como irmãos. Fica fácil de compreender o porquê da figura humana mais importante e atraente do milênio passado conhecida em todo o planeta. E é precisamente a partir dele que a fé passou a ser vivida dentro de uma nova visão, fazendo a diferença naquele que foi ao extremo, desceu e foi às raízes.

Como é indispensável ao nosso mundo atual o conteúdo da Carta Encíclica Laudato Sí’, do nosso querido Papa Francisco, iniciada com o referido canto: “Louvado sejas, meu Senhor, cantava São Francisco de Assis. Nesse gracioso cântico, recordava-nos que a nossa casa comum se pode comparar ora a uma irmã, com quem partilhamos a existência, ora a uma boa mãe, que nos acolhe nos seus braços: Louvado sejas, meu Senhor, pela nossa irmã, a mãe terra, que nos sustenta, governa e produz variados frutos, com flores coloridas e verduras”. Assaz o Sucessor de Pedro tem como objetivo, perseguir indignado, a vida no seu sentido mais amplo, antevendo com sua esperança e palavra profética, a restauração da casa comum, ao mesmo tempo em que denunciou a fome como um enorme escândalo (05/10/2015): “Devemos lembrar-nos diariamente desta injustiça: num mundo rico em recursos alimentares, também graças aos enormes progressos tecnológicos, são demasiados aqueles que não têm o necessário para sobreviver”.

Que a mística de Francisco de Assis, pelo desejo do Romano Pontífice, de uma Igreja mais “acolhedora e acessível”, na qual se “tenha a coragem de mudar, se não quiser virar uma peça de museu”, sem se distanciar, evidentemente, do Evangelho, indo ao encontro das famílias, empobrecidos e no diálogo com as realidades com as quais somos chamados a conviver.  Na mensagem (04/10/2015), precedendo a oração do Angelus na Praça de São Pedro da Janela do Palácio Apostólico, o Santo Padre se expressou sobre o Sínodo assim: “Durante três semanas, os padres sinodais refletirão sobre a vocação e a missão da família na Igreja e na sociedade, para um atento discernimento espiritual e pastoral. Manteremos o olhar fixo em Jesus para identificar as estradas mais oportunas para um empenho adequado da Igreja com as famílias e para as famílias”.

A mensagem enviada à Igreja da Irlanda, por ocasião do Dia da Vida, na mesma data acima referida, o Santo Padre recordou os ensinamentos de São Francisco de Assis, associado à festa do terno irmão universal, em uma demonstração de comovedora ternura, que toda a vida é um dom de Deus. O Papa Francisco disse com veemência que proteger a vida é proteger a sociedade, “exortando a imitar Deus e proteger, tutelar e defender toda vida humana, em especial a dos mais fracos e vulneráveis: idosos, nascituros, pobres e marginalizados”. O Sumo Pontífice deixou claro, ao presidir o Sínodo dos bispos sobre a Família no dia seguinte (05/10/2015), que a Igreja “não é um congresso ou uma convenção, um parlamento ou um senado” onde se negocia decisões.

Que a nossa prece suba aos céus pelo mundo e pela Igreja, espalhada por toda a extensão da terra, quando suas atenções se voltam para o Sínodo dos bispos, de 4 a 25 de outubro de 2015, inspirados no Santo de Assis, que, atendendo ao chamado de Deus, abraçou com indizível amor o mistério da cruz, pelas heroicas virtudes, coragem e de fé inabalável. Aceitou tudo por amor, canalizando, dentro da virtude da humildade, com a clara consciência que, de todas as graças concedidas pelo Espírito Santo de Deus, a mais preciosa é a renúncia. Com o mesmo espírito, guardemos no mais íntimo do íntimo o que o Bispo de Roma asseverou: “O Sínodo é uma expressão eclesial, isto é, a Igreja que caminha em conjunto para ler a realidade com os olhos da fé e o coração de Deus”. Assim seja!

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia do Mondubim realiza festejo à Nossa Senhora

Papa: as ditaduras começam com a comunicação caluniosa

Dia Mundial do Refugiado promove cultura e debate os desafios do refúgio no Brasil

Nota de falecimento

Aparecida receberá restos mortais de Dom Aloísio Lorscheider, Cardeal repousará na Capela da Ressurreição do Santuário Nacional


QR Code Business Card