Atualidades

[ARTIGOS] Liberdade de expressão há limites

padre-Brendan200O ataque à revista satírica francesa Charlie Hebdo em Paris na França, onde 12 pessoas morreram trouxe condenações de milhões de franceses, europeus e americanos. Depois da publicação de cinco milhões de uma nova e especial charge, mais uma vez considerada um insulto ao Profeta Maomé, milhões de muçulmanos nos países predominantemente muçulmanos saíram pelas ruas para protestar inclusive queimando igrejas cristãs. A revista Charlie Hebdo satirizou e ridicularizou em tempos recentes Jesus, Maomé, os judeus e palestinos etc. Acredito que a liberdade de expressão é uma das grandes conquistas da civilização da humanidade. Atentar contra essa conquista significa violentar a sociedade toda e alvejar valores universais inclusive o próprio conceito da liberdade. Embora nós todos acreditemos em liberdade de expressão, essa liberdade tem limites.

O Papa Francisco afirmou que a liberdade de expressão é um direito fundamental, mas não permite “insultos à fé dos outros”. Acrescentando: “Todos têm não apenas o direito a liberdade de expressão,  como também a obrigação de dizer o que pensam para ajudar o bem comum”. É “legítimo usar essa liberdade, mas sem ofender, sem impor, e nem matar”. Segundo o Papa “matar em nome de Deus é uma aberração”. Não há dúvida, a publicação de charges sobre o Profeta Maomé foi realmente uma enorme ofensa, uma provocação aos sentimentos religiosos dos muçulmanos. A convivência exige um clima de respeito mútuo para favorecer a paz entre os povos e as nações. Exigimos respeito quando estão em jogo à verdade ou a dignidade de uma experiência como a religiosa, que pertence à dimensão mais íntima e fundamental da pessoa humana. Formas de crítica exasperada ou de escárnio contra as religiões mostram uma falta de sensibilidade humana e pode constituir, em alguns casos, uma provocação inadmissível.  A leitura da história nos ensina que por este caminho não se curam as feridas que existem na vida do povo.

Igualmente deploráveis são as ações violentas de protesto onde pessoas morrem, prédios são incendiados e a lei da nação é desrespeitada. A reação ante uma ofensa não pode faltar ao verdadeiro espírito de toda religião. Espírito esse que inclui perdão, caridade e tolerância. A intolerância real ou verbal venha de onde vier, como ação ou como reação, constitui sempre uma série ameaça à paz. Durante sua recente visita à Turquia o Papa Francisco apelou a todos os lideres muçulmanos para condenem claramente o terrorismo islâmico considerando que “não pode dizer que todos os muçulmanos são terroristas”.  Ele disse que estava revoltado com a ligação que é feita entre o islã e o terrorismo.

                                             Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card