Atualidades

[ARTIGOS] Irmã Dorothy, martirizada há 10 anos

geovane200Por Padre Geovane Saraiva*

“Os mártires são exemplos máximos do perder a vida por Cristo. Em dois mil anos há uma série imensa de homens e mulheres que sacrificaram a vida para permanecerem fiéis a Jesus Cristo e ao seu Evangelho” (Papa Francisco). Quando enterramos o corpo da Irmã Dorothy, em fevereiro de 2005, repetimos muitas vezes que não estamos enterrando a Irmã Dorothy, mas sim, estamos plantando-a. Ela é uma semente que vai dar muitos frutos.  Queremos celebrar estes frutos e as novas sementes que estes frutos estão produzindo, disseram as irmãs de sua congregação. Irmã Dorothy afirmou no momento no qual foi imolada: “Eis a minha alma” e mostrou o Livro Sagrado. Leu ainda alguns trechos das Sagradas Escrituras para aquele que logo em seguida iria assassiná-la, a mando do fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida. Morta com seis tiros, aos 73 anos de idade, no dia 12 de fevereiro de 2005, em Anapu, no Estado do Pará, Brasil. É a partir de uma grande e enorme simbologia, bem no meio da floresta amazônica, que seu sangue derramado quer expressar para o mundo inteiro que a vida é mais forte do que a morte!

Irmã Dorothy era reconhecida como uma defensora do desenvolvimento sustentável, através da luta pela reforma agrária e da causa dos pequenos agricultores de Anapu, no Pará, mas acabou assassinada aos 73 anos a mando daqueles que só pensam nos bens temporais. Nossa celebração na Paróquia de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza – Ceará, com a presença das Irmãs de Notre Dame de Namur, que moram nesta Igreja de Fortaleza, quer ser uma forma de manter viva não apenas a memória de Dorothy, mas também a luta pela reforma agrária no Brasil. Essa memória nos estimula como compromisso de fidelidade e persistência. Urge reconhecer o que se fez no passado para nos animar o presente. Além disso, a causa de Dorothy não está na moda, porque pouco se fala em reforma agrária. Por isso mesmo, precisamos de mais motivações, para que sua memória se mantenha cada vez mais viva.

“Ninguém tem maior amor do aquele que dá a vida por seus amigos” (cf. Jo 15, 13). Dar a vida se pode traduzir por generosidade, renúncia, doação e testemunho. No amor a Deus e ao próximo está o eixo central do cristianismo; tudo a partir do coração, por ser o centro da personalidade, onde se encontra seu fundamento, na busca da dignidade, da justiça e da solidariedade. Dom Pedro Casaldáliga disse em determinada circunstância semelhante à nossa: “O povo precisou se esconder em razão de uma série de ameaças por causa da defesa ao povo indígena Xavante, ocasião para convocar os religiosos a assumirem a herança da irmã com realismo militante e com a esperança pascal”.

O modelo capitalista no Brasil, marcado pela desigualdade social e estrutural entrou com toda sua força também na Amazônia. Para lá também foi por opção de vida, a inesquecível Irmã Dorothy, abraçando a proposta do Evangelho, repleta de ternura, paixão e enorme amor pela floresta amazônica e seus habitantes. Uma mulher forte e determinada, no seu estilo de vida e com uma mística a causar medo e contrariar os que desejavam outro projeto para a floresta, longe e distante do projeto de Nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso mesmo tramaram: vamos assassiná-la. Irmã Dorothy está viva e presente na vida do seu povo, com sua vida ofertada em sacrifício, em um verdadeiro hino de louvor a Deus, na sua coragem profética. Ela vai continuar sempre mais amada e admirada, como figura exemplar e referencial, símbolo e patrimônio do povo brasileiro, o qual sonha com uma nova realidade, aos olhos da fé.

Diante do contexto, ainda muito vivo entre nós, da morte brutal da irmã Dorothy, fica muito presente a frase de Tertuliano, dita no século terceiro: “Sangue de mártires é semente de cristãos”. “Evangelizar constitui, com efeito, o destino e a vocação própria da Igreja, sua identidade mais profunda. Ela existe para Evangelizar” (EN, 14), não fugindo da profecia e do testemunho, e se for preciso, inclusive do próprio martírio.

Tendo diante dos olhos, na mente e coração o sonho da esperança pascal, no 10º  ano do assassinato da querida Irmã Dorothy Stang, convidamos a você querido irmão e irmã, para partilhar conosco da celebração eucarística, na Paróquia de Santo Afonso (Igreja Redonda), Av. Jovita Feitosa, 2733, Parquelândia, Fortaleza– CE, que acontecerá aos 08 de fevereiro de 2015, no horário das 18 horas. Temos consciência de que o testemunho profético e a mística dessa fiel e corajosa discípula de Jesus de Nazaré, com seu sangue derramado na floresta amazônica, ainda irá produzir frutos, muitos e bons frutos. Animados pela chama da esperança pascal, digamos com Papa Francisco: “Jesus dá-nos a vida. Unidos a Ele, teremos a alegria no coração e um sorriso nos lábios”. Amém!

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Assembleia de avaliação e planejamento da Região Episcopal São Pedro e São Paulo

Assembleia da Região Episcopal Nossa Senhora dos Prazeres

Comunidade Católica Corpo Místico de Cristo realiza Congresso Mariano

Paróquia Sagrada Família em Ocara realizou Retiro com Agentes Pastorais

O Sínodo da Juventude 2018


QR Code Business Card