Atualidades

[ARTIGOS] Francisco: voz dos que não tem voz

geovane200Por Padre Geovane Saraiva*

Jesus quer sempre salvar o seu povo e saciar sua fome de dignidade, nada se pode coibir na ação de Deus, a qual se manifesta mesmo quando nos deparamos com resistência e ventos contrários. Como é salutar às pessoas sentirem-se envolvidas em luz e confiantes na proteção divina, tal como rezamos no Livro Sagrado: “O Senhor é minha luz e salvação; de quem eu terei medo? O Senhor é a proteção de minha vida; perante quem eu tremerei?” (cf. Sl 27,1). São João da Cruz, ao nos assegurar que “No entardecer da vida seremos julgados pelo amor”, nos propõe um exigente programa de vida.

A respeito do pronunciamento do Papa Francisco no Parlamento Europeu em Estrasburgo – França (25.11.2014), a Imprensa internacional deu grande importância à sua boa nova, destacando os diversos temas abordados pelo Sumo Pontífice, nos dois discursos proferidos pelo Vigário de Cristo nas instituições europeias (Parlamento Europeu e Conselho da Europa). A Comissão dos Episcopados da Comunidade Europeia (COMECE) reunida em Bruxelas – Bélgica, no dia seguinte se manifestou, falando de uma autêntica “encíclica social”, para o Velho Continente. Em uma nota enviada à Agência ECCLESIA, o presidente do organismo que reúne os bispos católicos europeus, Cardeal Reinhard Marx, salienta que com o seu discurso ao Parlamento Europeu, o Papa argentino “sublinhou a importância da aliança europeia e a necessidade de levar a diante este projeto”. Deixou claro o Sumo Pontífice na sua mensagem que as pessoas devem ser o centro, não apenas “enquanto cidadãs ou sujeitos de uma economia… Mas enquanto homens e mulheres dotados de uma dignidade transcendental” e de “direitos inalienáveis”. Encíclica social porque o Santo Padre salientou como questão de vida ou morte a devida importância que se deve dar a Ecologia e o meio ambiente, trabalho e migrações foram outras matérias em destaque no discurso que o Papa Francisco pronunciou em Estrasburgo, perante o Parlamento Europeu e Conselho da Europa.

Sobre a questão dos emigrantes e itinerantes, o Cardeal Reinhard Marx frisa que o Papa argentino “colocou o dedo na ferida” ao falar da Ilha de Lampedusa, na costa italiana, que tem sido palco de incontáveis mortes de emigrantes africanos. Homens e mulheres, muitas vezes famílias inteiras que se jogam ao mar em busca de uma porta de entrada para a Europa, na esperança de um futuro melhor. “O Papa não se limitou a alertar os deputados europeus para o fato de o Mediterrâneo ter se transformado em um grande cemitério, desafiou-os a mostrarem-se solidários para com os problemas dos migrantes e a tomarem medidas concretas para a sua resolução”, complementa o presidente da COMECE. Sem esquecer o lado existencial das pessoas, afirmou o Bispo de Roma no Parlamento Europeu: “Uma das doenças que vejo mais difundidas hoje na Europa é a solidão, própria daqueles que não possuem vínculos”.

Voltando-me mais uma vez ao místico e poeta São João da Cruz, o qual nos presenteia com o poema “a noite escura da alma”, ao narrar os empecilhos do interior humano, no apego as coisas do mundo, no sentido de atingir o sentido completo da transcendência, que é a luz verdadeira de Deus, manifestado ao mundo no seu Filho Jesus. Deste modo, podemos caracterizar Francisco diante da realidade indizível e misteriosa do presépio como  outro São João da Cruz, na humilde súplica de paz: “Rezemos de modo especial por todos que sofrem perseguições por causa da fé”, lançando um convite à “esperança”, a não se deixar deprimir nem se assustar por causa da realidade feita de “guerras e sofrimentos”. O Papa recordou como as grandes construções que ignoraram Deus estão destinadas a desabar. Foi assim com a “malvada Babilônia”, que caiu na corrupção e a mesma coisa com a “distraída Jerusalém”, que caiu por ser “autossuficiente”, incapaz de perceber em Jesus o Salvador da humanidade. Neste sentido, Francisco convida-nos a dizer não a depressão e um sim à esperança. Para o cristão, a atitude reta é sempre a “esperança”, nunca a “depressão”, disse o papa na missa de 27.11.2014, dedicada à Bem Aventurada Virgem da Medalha Milagrosa, encarnada na espiritualidade das filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, a congregação que presta serviço nesta Casa. Babilônia é o “símbolo de qualquer sociedade, cultura ou pessoa que se afasta de Deus, do amor ao próximo, acabando por apodrecer em si mesma”. No fim, “Babilônia cai por causa do apego aos bem temporais, da corrupção e do afastamento de Deus”.

Concluo com as palavras do Romano Pontífice, voz dos que não tem voz, indignado com a dor, sofrimento e carência de toda natureza, nunca dormindo no ponto, bem longe da indiferença e do comodismo: “Quando pensamos no fim da nossa vida, do mundo – explicou – com todos os nossos pecados, com a nossa história pessoal, pensemos no banquete que nos será oferecido gratuitamente e levantemos a cabeça”. Não à “depressão”, sim à “esperança”. É verdade que “a realidade é feia: há muitos povos e cidades que sofrem; tantas guerras, ódio e inveja; muita mundanidade espiritual e corrupção”. Mas “tudo isto passará”. Eis o motivo pelo qual devemos “pedir ao Senhor a graça de estar preparados para o banquete que nos espera, com a cabeça sempre levantada”. Assim seja!

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, colunista, blogueiro, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal – Pároco de Santo Afonso – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Informações sobre o Fórum Alternativo Mundial da Água

Paróquia da Glória realiza Semana da Família

São Jerônimo

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,19-21

Programa Igreja no Brasil nº 255


QR Code Business Card