Atualidades

[Artigos] Francisco: modificar e purificar o interior

Padre Geovane Saraiva*

geovane200Nossa missão, decorrente do batismo, é para que sejamos pessoas marcadas pela graça de Deus, no anúncio e no testemunho, com a tarefa de transformar a realidade, marcada pelo pecado e por todo tipo contradição, no dever de fermentá-la e transformá-la em uma nova civilização, apresentando ao mundo sinais de esperança e solidariedade, não através de belas palavras ou de pregações bonitas e miraculosas, mas, acima de tudo, pela prática e pelo testemunho. Deus leva em conta a mística, bem como o testemunho e o modo coerente de viver. Leva em conta mãos abertas e um coração grande, generoso e bom.

Sem um coração purificado, não podemos ter mãos limpas e lábios que pronunciem palavras sinceras de amor, disse o Santo Padre na sua alocução dominical, precedendo o Angelus, na Praça de São Pedro. Ao comentar o Evangelho de São Marcos, do 22º domingo do Tempo Comum (30/08/2015), o Sumo Pontífice fez a seguinte reflexão: “Para Jesus essas tradições são preceitos de homens, que não devem nunca tomar o lugar dos mandamentos de Deus. Vemos o duelo do Salvador da humanidade com fariseus e escribas acerca da tradição dos antigos, duelo que nasce porque escribas e fariseus aplicavam a lei de forma escrupulosa e eram apresentados como expressão de autêntica religiosidade. Por isso, eles repreendem a Jesus e aos seus discípulos pelo não cumprimento de tais preceitos, sobretudo os relativos à purificação exterior de utensílios domésticos. Mas Jesus faz-lhes notar que estão longe de observar o mandamento de Deus em favor das tradições do homem”.

Que em setembro, mês do Livro Sagrado, inspirado e inspirador, sejamos sempre mais convencidos do valor indizível da gramática ou enciclopédia do povo de Deus, que, de modo correto, orienta homens e mulheres nas diversidades de dons, talentos, carismas e funções. Ela foi escrita, em um passado distante, por pessoas que viveram determinados contextos, diferentes do nosso; mas isso não importa. Ela é sempre atual e sua palavra é eterna. Por isso mesmo, Deus quer, através dela, enriquecer suas criaturas. É uma graça divina incomensurável contar com esse didático e pedagógico livro, ontem, hoje e por toda a eternidade, como na palavra de Josué: “Que o livro desta Lei esteja sempre nos teus lábios: medita nele dia e noite, para que tenhas o cuidado de agir de acordo com tudo o que está escrito nele. Assim serás bem-sucedido nas tuas realizações e alcançarás êxito” (Js 1, 8).

Como o Santo Padre, o Papa Francisco, sabe didaticamente colocar na mente e no coração dos cristãos as palavras do Mestre e Senhor, dizendo-nos: “Enchem-nos de admiração, pelo sentido de que nele se encontra a esperança e a sapiência que nos liberta de preconceitos. E recorda que estas palavras são também dirigidas a nós hoje, para não pensarmos que a observação exterior da lei é suficiente para sermos bons cristãos. Disse mais o Romano Pontífice que existe também para nós hoje o perigo de nos considerarmos melhor que os outros pelo simples fato de observar as regras, os usos e costumes, mesmo se não amamos o próximo, se somos duros de coração e orgulhosos. A observância literal dos preceitos é estéril se não houver mudanças dos corações, se não houver abertura a Deus e à sua Palavra e se isso não se traduzir em atitudes concretas, como a justiça e a paz, o socorro dos pobres, dos fracos, dos oprimidos. E aqui o Papa recordou quão mal fazem à Igreja aquelas pessoas que, com frequência, vão à Igreja, mas na vida quotidiana transcuram a família, falam mal dos outros e assim por diante”.

Jesus subiu ao Pai, mas com a promessa do Espírito Santo de Deus com as seguintes palavras que ele nos deixou: “Recebereis o poder do Espírito Santo, que virá sobre vós para serdes minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judeia e Samaria, até os confins da terra” (cf. At 1, 8). Percebemos a presença e a assistência do Espírito Santo de Deus no Augusto Pontífice, na condição de Sucessor de Pedro, ao sonhar com um mundo fraterno e solidário, exercendo a função de interlocutor, mestre e catequista maior, assistido pelo Espírito Santo de Deus, fundamentado na Escritura Sagrada, quando exorta, escreve, faz viagem apostólica, recebe autoridades, igualmente no constante esforço da busca de paz, justiça, diálogo e concórdia entre os povos.

Na Bíblia Sagrada, encontramos a grande ordem expressa por Jesus, tendo sua origem em Deus, que é Pai, Filho e Espírito Santo, a partir do mistério da encarnação e da redenção, que podemos chamar de mistério pascal, isto é, realização plena da humanidade, no comunicado à Igreja, de que ela é missionária, é enviada com a seguinte finalidade: “Ide pelo mundo inteiro e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15);  “Ide, portanto, e fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei” (Mt 28, 19-20); e ainda: “Recebereis uma força, a do Espírito Santo, que descerá sobre vós e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria e até os confins da terra (At 1, 8). Assim seja!

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card