Atualidades

[ARTIGOS] Francisco longe das heresias

geovane200Por Padre Geovane Saraiva*

Bem aventurados aqueles que acolhem e se deixam conduzir pela Palavra de Deus, tendo-a como eterna e sagrada, na qual se edificam sonhos e projetos de vida. O Papa Francisco ao comentar o Evangelho da casa edificada sobre a rocha, ou sobre a areia, na missa do dia 04.12.2014, disse que “Não basta se declarar cristão, é preciso agir”, deixando claro que o cristão não pode ser de aparência, mas deve colocar em prática o amor de Jesus, mostrando-nos portanto, que a missão de santificar, ensinar e governar tem sempre como fundamento a Boa Nova da salvação, anunciando Jesus Cristo, o Evangelho por excelência, maior e melhor dom inigualável de riqueza, que Deus Pai fez descer do céu, abrindo nossos olhos, quando afirma: “A Igreja é chamada a aproximar-se de todas as pessoas, começando pelos mais pobres e aqueles que sofrem”

No Jornal El País em 03.12.2014 o jornalista Juan Arias fala que os burocratas da Igreja o acusam entre dentes de que fala pouco de Deus e muito dos homens, sobretudo, dos mais marginalizados pela sociedade, sendo cada vez menos amado por setores da hierarquia da Igreja do que pelas pessoas, dizendo que Francisco gosta menos de muitos devotos do que da caravana humana dos que sofrem.  Para ele, bastam as páginas dos evangelhos que estão mais povoados de histórias de marginalizados e excluídos do convívio social do que de glória e triunfos divinos, indicando que o Santo Padre cita menos documentos e encíclicas. Em verdade Francisco tem absoluta convicção de que a promessa do Pai se concretiza no Filho Jesus Cristo que “sendo rico, se fez pobre, a fim de nos enriquecer com sua pobreza” (cf. 2Cor 8, 9), e que “Os orgulhosos, os vaidosos, os cristãos de aparência” – sublinhou o Papa Francisco – “serão derrubados, humilhados”, enquanto “os pobres serão os que vão triunfar, os pobres em espírito, aqueles que diante de Deus não se sentem importantes, os humildes, e que realizam a salvação, colocando em prática a Palavra do Senhor”.

Ainda segundo o referido colunista, o Sumo Pontífice opta em falar mais da criatura humana como imagem e semelhança de Deus do que da divindade, o que começa a ser visto como uma heresia. Sinceramente não compreendo a relação disto com uma heresia, sendo que Francisco tem manifestado posições que carregam a marca redentora do absoluto de Deus, associado e intimamente unido a Jesus de Nazaré, que foi pregado aos trinta e três anos de idade numa cruz, por ter percebido os sinais dos tempos e sido exagerado em defender os empobrecidos, antevendo neles seu próprio aniquilamento, sua suprema dor e angústia, em uma realidade misteriosa, da qual não se pode dissociar o humano do divino. Retomando o assunto anterior do Bispo de Roma, ao assegurar que “não basta pertencer a uma família muito católica, a uma associação ou ser um benfeitor se, depois, não se faz a vontade de Deus. ‘Muitos cristãos de aparência caem nas primeiras tentações’, afirmou, porque não têm ‘substância’, construíram sua casa sobre a areia”.

Dentre as inúmeras e inspiradoras frases de Francisco, duas em especial, relacionadas a este contexto, vêm à minha mente neste instante: “Vivemos na religião mais desigual do mundo”; “A paz é um bem que supera qualquer barreira, porque é um bem de toda a humanidade”. Uma construção na qual reina a paz precisa ser sólida e segura no seu alicerce, indo na direção do Romano Pontífice, deixando claro que os cristãos jamais poderão se distanciar dos seus ensinamentos, ao encerrar a referida homilia, na Casa Santa Marta, citando São Bernardo de Claraval: “Pense, homem, o que será de você: alimento para os vermes”. “Os vermes irão nos comer, a todos” – recordou o Papa – “Se não temos esta rocha, vamos acabar pisoteados”: “Neste tempo de preparação para o Natal pedimos ao Senhor para sermos firmes na rocha que é Ele, a nossa esperança é Ele. Todos nós somos pecadores, somos fracos, mas se colocarmos a esperança n’Ele podemos avançar. E esta é a alegria de um cristão: saber que n’Ele há esperança, há perdão, há paz, há alegria. E não colocar a nossa esperança em coisas que hoje existem e amanhã não existem mais”. Assim Seja!

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, articulista, blogueiro, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal – Pároco de Santo Afonso – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 20,1-16a

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,4-15

Visita Pastoral na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, Maranguape

II Romaria Bíblica e encontro sobre contabilidade na Região São Pedro e São Paulo

Palestras sobre o tema Comunicação na Faculdade Católica de Fortaleza


QR Code Business Card