Atualidades

[ARTIGOS] Exaltação da Santa Cruz

padre-Brendan200No dia 14 de setembro celebramos a festa da Exaltação da Santa Cruz. No calendário litúrgico cristão há várias festas relacionadas à Cruz, todas com a intenção de relembrar a crucificação de Jesus Cristo, evento central da fé, como diz o apóstolo São Paulo: “nós pregamos  Cristo crucificado, que é para os judeus, na verdade, uma pedra de tropeço, e para os gentios uma estultícia; mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus” (1Cor 1 23-24). Enquanto a Sexta-Feira Santa é dedicada à paixão e crucificação, a festa da Exaltação  da Santa Cruz, em 14 de setembro, celebra a cruz como instrumento de salvação, fonte de santidade e símbolo revelador da vitória de Jesus sobre o pecado e a morte. A cruz sobre a qual Jesus sofreu era, originariamente, apenas um instrumento material de sua morte. Mas já na época dos apóstolos ela se transformou em símbolo de redenção operado por Cristo e, portanto, símbolo da fé cristã.

Segundo a tradição, a Vera Cruz (verdadeira cruz) foi descoberta em 326 por Santa Helena de Constantinopla, mãe do Imperador Constantino  Magno, que deu liberdade religiosa à Igreja depois de 250 anos de perseguição. Ela viajou como peregrina para a Terra Santa. Aí ela mandou fazer diligentes pesquisas a fim de descobrir e identificar a verdadeira cruz de Cristo. A Igreja do Santo Sepulcro foi construída no local da descoberta, por ordem de Helena e Constantino. A igreja foi dedicada nove anos depois em 335, com uma parte da cruz em exposição. Em 13 de setembro ocorreu a dedicação da igreja e a cruz foi posta em exposição no dia 14 de setembro, para que os fiéis pudessem orar e venerá-la. Em 614 os persas invadiram a cidade e tomaram a cruz, que foi recuperado pelo Imperador Bizantino Heráclito em 628. Pouco depois a cruz retornou ao Santo Sepulcro.

Segundo O Missal Romano: “A Cruz, sinal do mais terrível entre os suplícios, é para o cristão a árvore da vida, o tálamo, o trono, o altar da nova aliança. De Cristo, novo Adão adormecido na cruz, jorrou o admirável sacramento de toda a Igreja. A Cruz é o sinal do senhorio de Cristo sobre os que no Batismo são configurados a ele na morte e na glória”. São Paulo nos diz: “Pois se fomos totalmente unidos, assimilados à sua morte, o seremos também à sua Ressurreição” (Rm 6, 5). Na tradição dos Padres, a cruz é o sinal do Filho do Homem que comparecerá no fim dos tempos “Então aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; e todas as tribos da terra baterão no peito; e elas verão o Filho do Homem vir sobre as nuvens do céu na plenitude do poder e da glória” (Mt 24.30). Com o olhar voltado para o mistério central de nossa fé, pedimos a Deus podermos sempre participar dos frutos da Redenção até conseguirmos a glória da Ressurreição.

                                          Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald

                                     Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • Aurilene Lima de Melo disse:

    Grande sacerdote, formador e comunicador que tem sempre a palavra de Deus certa para nós orientar a sermos mais Igreja Católica Apostólica Romana.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Planilha de contribuição das paróquias e das áreas pastorais: outubro de 2017

Festa da Paróquia Nossa Senhora das Graças – Santa Maria

“I Aviva Povo de Deus”

Paróquia Nossa Senhora das Graças e São Pedro na Praia da Tabuba, em Caucaia – CE.

Material que foi veiculado no Jornal JCTV na Rede Vida de Televisão


QR Code Business Card