Atualidades

[ARTIGOS] Dom Helder: motivações e razões para viver

geovane200Por Padre Geovane Saraiva*

“Das barreiras a romper, a que mais custa, mais importa, é sem dúvida, a barreira da mediocridade”, dizia nosso ‘Servo de Deus’, Dom Helder Câmara. Ele que tem muito a nos dizer e ensinar, ao sonhar com uma Igreja totalmente aberta ao Espírito, pobre, despojada e servidora, a nós que procuramos mergulhar na sua vida, por ocasião do centenário de seu nascimento (1909 -2009), e recentemente (08/04/2015), recebemos a alvissareira notícia da Sé Apostólica, sobre a aprovação do seu processo de beatificação e canonização.

Desde a juventude, Dom Helder mostrou-se determinado e comprometido com a realidade social, com os empobrecidos, nunca se esquecendo do conselho de seu pai, quando manifestar-lhe o desejo de ser padre: “Meu filho, você sabe o que é ser padre? Lembre-se que Padre e egoísmo nunca podem andar juntos. Padre tem que gastar-se, deixar-se devorar”.

Entrou para o Seminário da Prainha em Fortaleza-CE, estudou muito e foi ordenado sacerdote em 1931. Deixou o Ceará em 1936 para abraçar, como padre novo, cheio de sonhos e disposição interior, uma nova missão sacerdotal na cidade do Rio de Janeiro, como técnico em educação do Distrito Federal. Ao receber o convite para a nova função, seu bispo lhe aconselhou, dizendo: “Meu filho, é Deus, é Deus que está lhe chamando para o Rio de Janeiro. Aceite o convite! Vá, meu filho, vá!”.

Foi para o Rio de Janeiro, trabalhou, trabalhou e ficou conhecido como o bispo das favelas. Mas seu superior, Dom Jaime de Barros Câmara, não gostava, não achava bom e reclamava do seu contato aberto, ao se dirigir as pessoas, dizendo: “O senhor não pode fazer isso. Um bispo da Igreja é um príncipe e um príncipe não pode se misturar”. Mas Dom Helder adorava se misturar!  “Quantas vezes eu celebro em área de miséria e o meu povo canta: ‘O Senhor é o meu pastor, e nada me pode faltar’. Eu olho ao seu redor e vejo que está faltando tudo”.

Certa vez Dom Helder confidenciou: “Uma de minhas maiores emoções, em toda minha vida, foi quando da abertura da primeira sessão do Concílio Vaticano II (1962 -1965)”. Em sua aula inaugural, o Papa João XXIII disse com força: “Aqui estamos para a nossa conversão” e ele mesmo se incluía. Isso significava que nós, cristãos, padres e bispos e até o Papa, precisávamos voltar às origens do cristianismo e a reaprender o Evangelho. A beber novamente da fonte d’água da vida que é o próprio Deus.

Foi o bispo brasileiro mais influente em todo o Concílio Vaticano II, com grande mérito de abrir, para a Igreja, o caminho de renovação, da Igreja povo de Deus e que a mesma tinha que ir ao encontro dos sofredores e empobrecidos, dos “sem voz e sem vez”. Dizia ele: “Se eu não me engano, nós, os homens da Igreja, deveríamos realizar dentro da Igreja as mudanças que exigimos da sociedade. Não pense que Deus ajuda a miséria. Deus não aprova as injustiças. As injustiças sociais são problemas nossos”. No Século passado, Dom Helder foi a pessoa, entre todos os brasileiros, mais conhecida no exterior. Comparado com Edson Arantes do Nascimento (Pelé) e Juscelino Kubitschek, foi ele, sem dúvida, o nome sobre o qual mais se perguntava fora do Brasil.

Alguns anos depois da inexprimível ação de graças ao bom Deus pelo seu centenário de seu nascimento (07/02/2009), somos convidados ainda mais a render graças a Deus por sua vida, o dom maior que a Igreja do Brasil já produziu, e ao mesmo tempo, acolhê-lo como um tesouro ou pérola preciosa, porque seu jeito de viver nos coloca bem dentro da proposta do Reino. É importante olhar para a convicção vocacional de Dom Helder, para o brilho de sua sabedoria, com raríssimas qualidades: inteligência, criatividade, perspicácia, espírito de liderança e, ao mesmo tempo, um incontestável amor por todas as pessoas do planeta, marcadas pela dor e sofrimento de toda natureza.

O pastor dos empobrecidos, apaixonado por Deus e suas criaturas, percebeu com clareza o caráter universal da salvação, em toda criação, como templo sagrado de Deus. Deixou-nos a a lição que, de  acordo com o projeto de Deus, os empobrecidos  não devem renunciar jamais seu inalienável direito de viver, sem esquecer a utopia e o sonho da esperança. Ensinou-nos também que Nosso senhor Jesus Cristo, o Filho encarnado do Pai, não é um mito ou uma fábula, e sim, Senhor da vida e da história, a iluminar os passos da humanidade. Em Dom Helder, nosso Servo de Deus, as pessoas encontram razões e motivações para viver!

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 9,9-13

Festa na paróquia de São Francisco de Assis, Jacarecanga

Soberania nacional é o eixo central da análise de conjuntura apresentada aos bispos Consep

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 7,31-35

Papa Francisco anuncia duas novas nomeações na manhã desta quarta-feira, 20


QR Code Business Card