Atualidades

[ARTIGOS] A urgência da conversão pastoral na paróquia

A grande questão é que ficamos elogiando o que o Papa diz, analisando a sua receptividade em nível mundial; entretanto, as nossas Paróquias continuam as mesmas.

almir300Por Pe. Almir Magalhães*

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, como fruto de sua 52ª Assembleia Geral (30/4 a 9/5/14), ofereceu aos fiéis católicos o Doc. 100 – Comunidade de Comunidades: uma nova paróquia – a Conversão pastoral da Paróquia. O grande objetivo do texto é ajudar a compreender o sentido pastoral da Paróquia, ou seja, que ela seja uma comunidade missionária, acolhedora, samaritana, que gera discípulos, orante e eucarística.

Quando o Papa Francisco esteve no Brasil em 2013 e se encontrou com o episcopado brasileiro (27/7/13), lembrou que a conversão pastoral “nada mais é que o exercício da maternidade da Igreja. Ela gera, amamenta, faz crescer, corrige, alimenta, conduz pela mão… Por isso, faz falta uma Igreja capaz de redescobrir as entranhas maternas da misericórdia. Sem a misericórdia, poucas possibilidades temos hoje de inserir-nos em um mundo de “feridos”, que tem necessidade de compreensão, de perdão, de amor” (Palavras do Papa Francisco no Brasil, Paulinas, 2013, p.104). (Este mesmo texto foi retomado no Doc. 100, n.54).

Gostei muito desta referência “Exercício da maternidade da Igreja, porque além de ser explicitado no próprio texto, chama a atenção para uma postura, atitude, jeito pastoral de ser que deve ser construído. A grande questão é que ficamos elogiando o que o Papa diz, analisando a sua receptividade em nível mundial; entretanto, as nossas Paróquias continuam as mesmas: paróquias de manutenção, nas quais predominam os aspectos administrativos, sacramentalização, sem outras formas de evangelização, como afirma o documento aqui referenciado em seu nº 48.

A Conversão pastoral é uma urgência e supõe um processo de transformação permanente e integral, o que implica o abandono de um caminho e escolha de outro. (cf. nº 51).

Acredito que aqui está o ponto fulcral – abandonar um caminho e escolher outro. É fácil de se compreender que é parte estruturante do ser humano o apego, também o apego pastoral de continuar com caminhos que foram suficientes para determinadas épocas mas que não se adéquam ao momento histórico que estamos vivendo, com o paradigma de mudanças que ocorreram e continuam ocorrendo, como os novos cenários da fé e da religião (cf. Cap.I do doc. 100 – Sinais dos Tempos).

Abandonar um caminho na perspectiva da conversão pastoral implica uma Kenósis e, no caso, entra de cheio a dimensão espiritual e remeto a esta profunda orientação contida em Fil 2, 1-11. É ser capaz de mudar de rumo, despojando-se de algo que nos é valioso mas que em função da fidelidade à missão exige a construção de um novo rumo pastoral que possa explicitar melhor o anúncio irrenunciável de Cristo e sua proposta, mas com roupagens compreensíveis ao homem de hoje.

O Documento de Aparecida e o documento 100 chamam isso de Revisão das Estruturas Absoleto (DAp 365 e 45-50 doc. 100).

A Conversão Pastoral significa também Conversão para a Missão, para o compromisso comunitário para se dar aos outros.

Significa valorizar o espírito comunitário com sua base na vida trinitária e do batismo recebido. Para isto, a visão de comunidade de comunidades é fundamental na medida em que setoriza para ser uma presença que favoreça uma aproximação indispensável. Agora, é preciso identificar quem vai pastorear, animar e coordenar estas pequenas comunidades, caso contrário, será só uma descentralização geográfica, sem vida, sem alma.

Finalmente, uma atenção à Catequese que deve ser de Iniciação à Vida Cristã com inspiração catecumenal, totalmente diferente do que existe hoje. Ela ainda é muito desconhecida em nossas comunidades (Doc. 100 268). Motivar para uma catequese que gere discípulos.

A tarefa é exigente, complexa e desafiante. Os queridos amigos párocos e demais agentes de pastoral envolvidos devem ousar.

Almir Magalhães é padre da Arquidiocese de Fortaleza, diretor e professor da Faculdade Católica de Fortaleza.

Do Jornal O Povo:http://www.opovo.com.br/app/opovo/espiritualidade/2015/05/16/noticiasjornalespiritualidade,3438900/a-urgencia-da-conversao-pastoral-na-paroquia.shtml

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Criaturas novas de Deus

Nossa Senhora de Guadalupe

Editorial – dezembro 2017: “Campanha para a Evangelização”

Agenda do Arcebispo: Janeiro 2018

Decretos e Provisões – novembro 2017


QR Code Business Card