Atualidades

[Artigo] Vencer o iceberg do egoísmo

Padre Geovane Saraiva*

padre-geovane_saraiva_t

Da misteriosa encarnação, compreendida aos olhos da fé, é que vem a inigualável energia para vencer e ultrapassar todas as barreiras que contrariam a vontade de Deus: a energia do amor. Neste tempo que antecede o Natal, estamos todos ansiosos pela chegada do Menino Jesus, tão pequeno na gruta de Belém, e que entrou no mundo como uma criança frágil, vivendo na sociedade de seu tempo, filho de Maria de Nazaré e do humilde carpinteiro José, querendo, evidentemente, desmanchar o iceberg do orgulho e do egoísmo, amparado pelo emblemático manto da ternura, da justiça e da paz. Misteriosamente, sem que as pessoas conseguissem identificar em toda a sua plenitude, Ele carregava consigo uma profunda impressão: a natureza divina – É o Verbo de Deus que se encarnou e veio se estabelecer entre nós.[1]

No contexto da obra salvífica e redentora do nosso bom Deus, mistério a dominar e encantar a história da humanidade, somos convidados sempre mais a apreciar: “Ao nome de Jesus todo joelho se dobre no céu, na terra e abaixo da terra, e toda língua proclame bem alto, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é o Senhor”.[2] O Cardeal Aloísio Lorscheider, no sentido profundamente belo quanto inefável, afirma, a partir do mistério da encarnação do Filho de Deus, de um modo encantador e ao mesmo tempo paradoxal, que “Jesus é a majestade divina despojada, aniquilada por nós, é também a nulidade humana, em certo sentido, divinizada. Vemos o nosso nada subir no trono de Deus, enquanto Deus desce às nossas manjedouras; e quem realiza esse prodígio de onipotência, de amor, de glorificação e de humilhação é Jesus”.[3]

O que o mundo propõe não deve ser causa de alegria. Alegria de verdade encontramos no Evangelho como uma palavra de ordem: “Eis que eu anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo”.[4] E qual é mesmo a alegria no sentido mais profundo? “Encontramo-la no mistério da encarnação, no nascimento do Filho de Deus. A nós, cristãos, cabe exultar e, ao mesmo tempo, contemplar, associados aos anjos que povoaram os céus naquela noite memorável, no inexprimível e misterioso coro: “Glória a Deus nas alturas e paz na Terra aos homens de boa vontade”.

O Papa Francisco alimenta no mais íntimo do íntimo, no convite do apóstolo Paulo: “Alegrai-vos sempre no Senhor”. O Senhor está próximo! Não é uma alegria superficial ou puramente emotiva, nem sequer aquela mundana ou do consumismo, mas trata-se de uma verdadeira alegria, da qual somos chamados a redescobrir o sabor”,[5] numa fervorosa súplica, em que cesse a falta de amor, a insensibilidade e a indiferença por um mundo mais inclusivo, segundo o desejo de Francisco. Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência  Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

 

 

[1] Cf. Jo 1, 14.

[2] Cf. Fl 2, 10-11.

[3] Diante de Deus com Dom Aloísio Lorscheider, o mistério de Cristo, p. 51.

[4] Cf. Lc 2, 10-11.

[5] Papa Francisco, na oração do Ângelus na Praça de São Pedro (11/12/2016).

 

 

[1] (cf. Jo 1, 14)

[2] (cf. Fl 2, 10-11)

[3] Diante de Deus com Dom Aloísio, o mistério de Cristo, p. 51

[4] (cf. Lc 2, 10-11)

[5] Papa Francisco, na oração do Ângelus na Praça de São Pedro (11/12/2016).

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Assembleia da Região Episcopal Nossa Senhora dos Prazeres

Comunidade Católica Corpo Místico de Cristo realiza Congresso Mariano

Paróquia Sagrada Família em Ocara realizou Retiro com Agentes Pastorais

O Sínodo da Juventude 2018

Na celebração do I Dia Mundial dos Pobres Arquidiocese lança a 9ª Festa da Vida


QR Code Business Card