Atualidades

[Artigo] O STF E A IGREJA CATÓLICA

 O  STF  E A IGREJA CATÓLICA

No dia 29 de novembro, a Primeira Turma do Supremo Tribunal (STF) decidiu descriminalizar o aborto no primeiro trimestre da gravidez. Seguindo voto do ministro Luís Roberto Barroso, o colegiado entendeu que são inconstitucionais os artigos do Código Penal que criminalizam o aborto. Porém, apesar de admiti a descriminalização do aborto nos três primeiros meses, o ministro entendeu que a criminalização do procedimento pode ser aplicada a partir dos meses seguintes. O ministro Barroso, segundo os jornais e programas de televisão, afirmou que: “Durante este período, o córtex cerebral – que permite que o feto desenvolva sentimentos e racionalidade – ainda não foi formado, nem há qualquer potencialidade de vida fora do útero”.brendan_

A Igreja Católica não concorda com essa opinião do STF. A Igreja Católica afirma que a vida humana deve ser respeitada e protegida de maneira absoluta a partir do momento da concepção. Desde o primeiro momento da sua existência, o ser humano deve ver reconhecido os seus direitos de pessoa, entre os quais o direito inviolável de todo ser inocente à vida (cf. CIC 2270). A Igreja Católica entende-se por aborto, a morte do embrião ou feto durante o seu desenvolvimento uterino, ou seja, na fertilização do óvulo com o espermatozoide. Quem interrompe a gravidez para matar o embrião ou feto (que tem vida)  no ventre materno pratica o aborto.

Portanto a Igreja Católica é contra o aborto. É importante lembrar que “Nem sempre aquilo que legalmente aceito é moralmente lícito”. Em alguns países o aborto é permitido legalmente, mas não é moralmente lícito. O diagnóstico pré-natal é moralmente lícito “se respeitar a vida e a integridade do embrião ou do feto humano”. Quer dizer, quando está orientado para a cura do embrião ou feto. É gravemente imoral quando o diagnóstico pré-natal é para eventualmente provocar um aborto. Por exemplo, em casos como: Síndrome do Down, crianças com  anencefalia, e a microcefalia etc. A Igreja Católica pune com excomunhão uma pessoa que praticou o aborto e aqueles que assistiram na prática, como médico, enfermeira etc. O Concílio Vaticano afirmou: “Deus, com efeito, que é o Senhor da vida, confiou aos seres humanos o nobre encargo de preservar a vida  para ser exercido de maneira condigna do homem. Por isso, a vida deve ser protegida com o máximo de cuidado desde a concepção. O aborto como infanticídio são crimes nefandos” (Gaudium et Spes, No.51). No aborto, não só se mata: elimina-se cruelmente um inocente indefeso.

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald

Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE 1.

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pedra rejeitada

56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil

POM celebra 40 anos lançando vídeo institucional

Secretaria de Comunicação da Santa Sé fez cobertura total da 56ª Assembleia

No seu onomástico Papa dá sorvete aos mais necessitados


QR Code Business Card