Atualidades

[Artigo] Noites mal dormidas dos desesperados

Noites mal dormidas dos desesperados

geovane200

Padre Geovane Saraiva*

Dom Helder Câmara (1909-2009), iniciou sua vida de padre em profunda sintonia e comunhão com Jesus, Pão da Vida, Pão descido do Céu, concretamente no exemplo do seu santinho da ordenação sacerdotal, em Fortaleza Ceará (15/08/1931), através do qual assim se manifestou: Angelorum esca nutrivisti populum tuum – teu povo se alimenta do pão do céu. Por ser um cidadão planetário, o mundo foi seu campo de ação apostólico, mas vivendo-a a partir dos 27 anos de idade na cidade maravilhosa – RJ (1936-1964). Esquecê-lo jamais o místico, que soube sonhar com as realidades últimas, na função de Arcebispo de Olinda e Recife, a partir de abril de 1964. Associados ao nosso Deus altíssimo, terníssimo e boníssimo, elevamos fervorosas preces, desejosos de vê-lo beatificado e canonizado.

Iniciado o processo de sua beatificação e canonização do ‘Servo de Deus, Dom Helder Câmara’, na Arquidiocese de Olinda Recife (03/05/2015), lugar no qual residiu na condição de Arcebispo metropolitano e depois como Arcebispo Emérito (1964-1999). É indispensável saber olhar para o artesão da paz, na sua espiritualidade genuína e cristalina, quando sua oração ao Deus e Pai se transforma em ação e poesia: “Fomos nós, as tuas criaturas que inventamos teu nome!? O nome não é, não deve ser um rótulo colado sobre as pessoas e sobre as coisas… O nome vem de dentro das coisas e pessoas, e não deve ser falso… Tem que exprimir o mais íntimo do íntimo, a própria razão de ser e existir da coisa ou da pessoa nomeada… Teu nome é e só podia ser amor”.

Assaz a participação do artífice da paz no Concílio Vaticano II (1962-1965), agindo excepcionalmente nos bastidores com um articulador muito especial. Certa vez Dom Hélder confidenciou: “Uma de minhas maiores emoções, em toda minha vida, foi quando da abertura da primeira sessão do Concílio Vaticano II”. Em sua aula inaugural, o Papa João XXIII disse com força: “Aqui estamos para a nossa conversão” e ele mesmo se incluía. Isso significava que nós, cristãos, padres e bispos e até o Papa, precisávamos voltar às origens do cristianismo e a reaprender o Evangelho. Devemos beber novamente da fonte d’água da vida que é o próprio Deus.

O processo de beatificação de Dom Helder faz-nos pensar em Karl Rahner, sacerdote jesuíta, nascido na Alemanha (1904-1984); que foi um dos maiores e mais importantes teólogos do século XX, certamente o influenciou enormemente, deixando marcas profundas e forte presença no meio cristão, pela sua ação concreta em favor da Igreja, também seus dons e inteligência privilegiada, destacando-se como assessor do Concílio Vaticano II. Além de desempenhar um relevante papel, incentivando a Igreja Católica para que se abrisse ao mundo e às diversas tradições e culturas. Dizia ele com a coragem profética, bem dentro do espírito de Dom Helder, que lhe era peculiar, que o cristão do futuro será um místico ou não será nada.

Como místico, tornou-se conhecido no Brasil e no mundo inteiro, por sua luta em favor de uma humanidade livre, especialmente, os desafortunados da vida, os empobrecidos, os “sem voz e sem vez”, como ele costumava dizer. O Papa Francisco, logo no início de seu pontificado deu sinais concretos da importância do Concílio Vaticano II: dispensou a cruz de ouro, recusou o carro de luxo, pagou a sua conta na pensão, exortou os bispos a saírem dos palácios e a irem para as periferias, disse que a Igreja sem a Cruz é tão somente uma piedosa ONG, pediu a bênção dos fiéis e se esforça para dar rumo aos trabalhos pastorais nos nossos dias. Vejo a essência do seu pontificado nas palavras daquele que era invocado com nome ‘Dom da Paz’: “Que eu aprenda afinal, com a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, a cobrir de véus o acidental e efêmero, deixando em primeiro plano, apenas o mistério da Redenção”.

Deveras Dom Helder, no seu sonho em favor de uma Igreja povo de Deus, servidora e despojada, restaurada e renovando no amor, dentro do espírito do Pacto das Catacumbas (16/11/1965), propôs ao Santo Padre, o Papa Paulo VI, uma sugestão filial quanto profética:  “Santo Padre, abandone seu título de rei e vamos reconstruir a Igreja como nosso Mestre, sendo pobres. Deixe os palácios do Vaticano, vá morar numa casa na periferia de Roma. Pode até ter uma praça para saudar e abençoar as ovelhas. Depois, Santo Padre, convide a todos os bispos a largarem tudo o que indica poder, majestade: báculos, solidéus, mitras, faixas peitorais, batinas roxas. Vamos amontoar tudo na Praça de São Pedro e fazer uma grande fogueira, dizendo de peito aberto para o povo: Vejam, não somos mais príncipes medievais. Não moramos mais em palácios. Todos somos pastores, somos pobres, somos irmãos”.

Ninguém melhor do que Dom Helder para perceber o rosto de Deus na dor, na angustia e no sofrimento do próximo: “…nos rostos gastos pela fome e esmagados pelas humilhações vi o rosto do Cristo Ressuscitado”.  Apesar de não ter convivido com Dom Helder, ao ingressar no seminário em 1974, passei a admirá-lo. Tive a sorte de estar com ele em três ocasiões. Sua vida foi um verdadeiro hino de louvor a Deus. Em 1948 como padre novo no Rio de Janeiro se expressou de modo extremamente profundo e em tom poético, ao externar: “Se eu pudesse sairia povoando de sono e de sonhos as noites mal dormidas dos desesperados”.

Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pedra rejeitada

56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil

POM celebra 40 anos lançando vídeo institucional

Secretaria de Comunicação da Santa Sé fez cobertura total da 56ª Assembleia

No seu onomástico Papa dá sorvete aos mais necessitados


QR Code Business Card