Atualidades

[Artigo]  Natal em um mundo secularizado

Dezembro é o mês do Natal. Mais uma vez o nascimento de Jesus está diante dos nossos olhos. Jesus Cristo, o Filho de Deus, que se fez homem, nasce entre nós, torna-se o Deus conosco. Deus aproximou-se dos homens para salvá-los, num gesto de espantosa solidariedade. Cristo, o prometido de séculos, o esperado de gerações chegou. Ele veio não para nos condenar, mas para nos salvar. “Na plenitude dos tempos Deus mandou seu Filho, nascido de uma mulher, para que recebêssemos a adoção de filhos” (Gl 4,4-5). Nesta frase lapidar de Paulo está o motivo fundamental da encarnação do Filho de Deus: tornar-nos novamente filhos de Deus.padre-Brenda200

A universalidade das comemorações natalinas é algo assombroso em um mundo que aparenta estar divorciado do eterno e do transcendental.  Apesar do fato que o mundo de hoje é um mundo secularizado e descristianizado, na época do Natal, por motivos diversos, os homens alteram seus hábitos e sentimentos. Nas mais diversas modalidades, mesmo sem conhecerem explicitamente o Cristo, e até rejeitando-o, os homens se alegram e desejam felicidade uns aos outros. Há preocupação em comunicar ao próximo o bem-estar. Cada Natal transmite ao mundo lições de paz, de concórdia e de fraternidade.  Porém, é triste ver um mito como “Papai Noel” ocupando o lugar do Menino Deus nos festejos natalinos. Um ícone do consumismo imposta à nossa cultura, não inspirado na verdade histórica e nos valores éticos. 

O presépio, criado por São Francisco de Assis no século treze, exprime uma lição a um mundo que valoriza exageradamente o dinheiro, o poder e o gozo. Quando os homens colocam como supremo árbitro o dinheiro o presépio nos prega o despojamento. Quando os homens querem resolver os problemas deste mundo usando valores terrenos, a manjedoura nos fala dos valores transcendentais. Quando os homens se dividem pelo ódio e pela violência do silêncio de Belém emana uma magnífica proclamação de paz e de concórdia.

Historicamente falando, não há certeza absoluta sobre o dia e o mês do nascimento de Cristo, simplesmente porque os evangelistas silenciam os pormenores da data. A data que nós celebramos foi escolhida pelo Papa Libério em 354. Observemos o mundo em que vivemos neste ano de 2016: corações amargurados, guerras, ódio, injustiça, egoísmo, chocante miséria, terrível fome, gravíssimas doenças, drogas, desrespeito à pessoa humana, assaltos, depressão etc. e temos aí uma ideia do longo caminho a percorrer até a mensagem do Natal seja vitoriosa. São João falando da Encarnação do Filho de Deus no Natal expressa uma grande tristeza: “Veio para os seus e os seus não o receberam” (Jo 1,11). E nós recebemos no coração Cristo, Príncipe da Paz? Como diz o Apóstolo: “Cristo é nossa paz” (Ef 2, 14). A todos os leitores deste artigo desejo-lhes um feliz e santo Natal e paz, saúde e prosperidade  em 2017.

                                                        Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald

                                                  Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Alto Alegre realiza Festejo

Equipe da 5º Urgência da Região Nossa Senhora da Conceição promove encontro sobre Reforma Trabalhista

Alto do Moinho, em Canindé realiza festejo a seu Padroeiro

São Luís Gonzaga

Muticom de Férias acontecerá em Maranguape (CE)


QR Code Business Card