Atualidades

[Artigo] GREVES E A LEI MORAL

A frequência de greves, hoje em dia, é preocupante e exige uma reflexão. O que é que nós entendemos por greve? Greve é a cessação coletiva e voluntária do trabalho realizado por trabalhadores com o propósito de obter benefícios, como aumento de salário, melhoria de condições de trabalho ou direitos  trabalhistas, ou para evitar a perda de benefícios. Por extensão, pode referir-se à cessação coletiva e voluntária de quaisquer atividades, remuneradas ou não, para protestar contra algo (cf. CLT). O direito do trabalhador de parar seu trabalho é, hoje, um assunto tão pacífico e aceito por todos que, muitas vezes, esquecemos que há uma importante diferença entre uma greve justa e eticamente correta e uma greve injusta e moralmente condenável. Uma greve deve ser em última análise, uma maneira de ameaçar e infligir prejuízo ao governo, uma firma ou pessoa que está nos brendan_injustiçando, com a finalidade de pressioná-los a remediar ou acabar com a injustiça. No passado, o prejuízo causado por uma greve era em grande parte limitado ao empregador. Hoje, porém, por causa da interdependência dos diferentes grupos na sociedade, o dano é sofrido, não somente pelo empregador, mas também por muitas outras pessoas inocentes. O prejuízo que outras pessoas inocentes de qualquer injustiça podem sofrer é frequentemente maior do que o prejuízo sofrido pelo empregador. Um número reduzido de homens em posições chaves, especialmente nos setores públicos e de serviços, pode  comprometer uma cidade toda ou toda a nação, mesmo em situações onde dificilmente se vê que uma injustiça real é a causa de sua ação ou que a justiça exige absolutamente uma greve.

Moralmente antes de iniciar uma greve todos nela envolvidos devem responder quatro perguntas básicas: (i) Há certeza absoluta da existência de uma real injustiça? (ii) Será que esta injustiça é suficientemente grave para justificar a perda ou prejuízo que provavelmente será causada pela greve? (iii) Há uma adequada proporção estre a perda próxima a ser infligida e a finalidade legítima procurada? (iv) Será que todos os esforços para chegar a um acordo através de negociação foram feitos? Uma pessoa ou uma categoria tentando decidir se deve ou não fazer greve tem que responder a estas perguntas afirmativamente, antes de poder afirmar que “esta greve é moralmente justificável”. Nunca podemos esquecer que uma greve é uma arma a ser usado somente como último recurso, e nada pode justificar seu uso como primeiro passo numa disputa para ganhar melhores salários. Por isso, greves do tipo “relâmpago” são frequentemente mais difíceis de justificar. O direito de greve encontra-se legitimado em nossa Constituição Federal (cf. Lei No. 7.783/89 e seu Art. 9º.). A administração pública e donos de empresas não devem esperar que a inquietação ou agitação se instalasse antes de conceder razoáveis melhoramentos em salários e condições de trabalho. Greves potenciais são evitadas quando sensíveis administradores de empresas e lideranças sindicais responsáveis e competentes sentam-se à mesa para negociar num ambiente de respeito mútuo. A greve ganha às manchetes, mas são os representantes do governo, administradores ou gerentes de empresas e as lideranças sindicais que merecem proeminência pelo fato de ter evitado uma greve e os prejuízos e perdas envolvidas.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald

Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Na celebração do I Dia Mundial dos Pobres Arquidiocese lança a 9ª Festa da Vida

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018


QR Code Business Card