Atualidades

[ARTIGO] Excelsa missão de Francisco

Padre Geovane Saraiva*geovane

 

O Papa Francisco é um exemplo do poder e do serviço, em conformidade com o projeto de Nosso Senhor Jesus Cristo, deixando bem claro para o mundo, na função de bispo de Roma, como exercê-lo, tendo em vista o bem da Igreja e do mundo, consciente do peso do ministério abraçado, quando afirmou: “Não há cruz pequena ou grande, na nossa vida, que o Senhor não venha compartilhar”. Os católicos o têm como modelo de sacerdote, porque o que ele diz, procura vivenciar no dia a dia. Pensemos na força deste seu pensamento: “Se nos comportarmos como filhos de Deus, sentindo-nos amados por Ele, a nossa vida será nova, cheia de serenidade e de alegria”.

O que é mais importante no ensinamento do sacerdote? Eis a resposta de Francisco, a partir da solidariedade: “O meu coração sangra quando penso nas crianças do Iraque. Nossa Senhora, Nossa Mãe, as proteja!” Mas segundo o que assimilei, no conjunto dos tratados da teologia, posso concluir que é o tratado dos sacramentos, visto como algo sagrado, como aquilo que nos comunica a vida de Deus, o centro da vida sacerdotal, sendo sem dúvida alguma, o sacramento da eucaristia, intrinsecamente unido ao sacerdote, algo insondável e inexprimível, do ponto de vista da fé. Urge refletir no que nos fala o Cardeal Aloísio Lorscheider: “É por meio da eucaristia que o sacerdote exerce também seu mais fecundo apostolado, precisamente por ser como sacrifício, a renovação do sacrifício da Cruz e, como alimento, a vida eterna e a ressurreição gloriosa”.

O sacerdote é seguidor e discípulo de Jesus de Nazaré e com uma única alternativa: “Não adianta nada sermos bispos, cardeais ou papa se não formos discípulos do Senhor”. A partir da teologia, no sacerdote encontra-se a vida da Igreja, Sacramento de Cristo, no seu sentido misterioso, como a própria palavra expressa, vida do corpo místico de Cristo, oferecida pelo próprio Cristo, pelas mãos do sacerdote, ungidas das graças divinas. No grau mais elevado, o sacerdote é chamado a exercer a caridade fraterna, quando administra os sacramentos, tornando-se servidor da humanidade.

O exemplo maior e mais elevado vem do Sumo Pontífice, o Papa Francisco, ao realizar agora o seu sonho de missionário, impossível quando jovem sacerdote, junto ao povo coreano, nestas palavras digeridas aos jovens (15/08/2014): “Que vocês, jovens, possam combater o fascínio de um materialismo que sufoca os valores culturais e espirituais autênticos e se afastem do espírito de competição desenfreada que gera egoísmo e conflito”, no sermão o Santo Padre também disse. “Que vocês também rejeitem os modelos econômicos desumanos que criam novas formas de pobreza e marginaliza os trabalhadores”, num ato de ternura, compaixão e solidariedade para com aqueles que carregam o estigma do sofrimento, numa sociedade de crucificados.

Na Missa conclusiva da VI Jornada Asiática da Juventude (em 17/08/2014), como o Papa Francisco soube encantar os povos da Ásia e do mundo inteiro: “Jovens da Ásia, vocês são herdeiros de um grande testemunho, de uma preciosa confissão de fé em Cristo. Ele é a luz do mundo, a luz da nossa vida! Os mártires da Coreia, e tantos outros da Ásia, sacrificaram suas vidas ao Senhor, dando-nos testemunho de que a luz da verdade de Cristo afugenta todas as trevas e o amor de Cristo triunfa glorioso. Cientes da sua vitória sobre a morte, vocês podem enfrentar o desafio de ser seus discípulos, hoje, nas situações de vida em que vivemos e no nosso tempo”.

Francisco, nas suas iniciativas, pensamentos, atitudes e gestos concretos, passa para as pessoas de boa vontade, de um modo didático e pedagógico, a importância da fé como realidade inesgotável: “Quando nosso coração é uma terra boa que acolhe a palavra de Deus, quando se sua a camisa, procurando viver como cristãos, nós experimentamos algo maravilhoso: Nunca estamos sozinhos!”. Na Coreia ele nos ensina a importância da caridade na vida de fé e a viver em uma sociedade, onde, por um lado, há imensas riquezas, e, por outro, cresce silenciosamente uma grande pobreza; uma sociedade que raramente ouve o grito dos pobres, onde Cristo continua a nos convidar a amá-lo e a servi-lo nos nossos irmãos e irmãs necessitados. Dele também aprendamos nesta afirmação: “Deus nos ama. Não devemos ter medo de amá-lo. A fé se professa com a boca e com o coração, com a palavra e com o amor”. Assim seja!

 

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, colunista, blogueiro, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal – Pároco de Santo Afonso – geovanesaraiva@gmail.com

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pedra rejeitada

56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil

POM celebra 40 anos lançando vídeo institucional

Secretaria de Comunicação da Santa Sé fez cobertura total da 56ª Assembleia

No seu onomástico Papa dá sorvete aos mais necessitados


QR Code Business Card