Atualidades

[Artigo] Comunidade do Cumbe é vítima de terrorismo e vandalismo de Estado

julioPor Pe. Antonio Julio Ferreira de Souza, C.Ss.R

A Comunidade do Cumbe viveu nessa quarta, 12, um dia de terrorismo e vandalismo de Estado. Com o aval da Juíza Ana Celina Monte Studart Gurgel Carneiro, “cidadã aracatiense”, mais de 20 policiais militares fortemente armados, com um aparato desproporcional à ação, chegou à comunidade para destruir o barracão da resistência e a criação de ostras dos pescadores.

Dizem que a justiça é cega, mas pelo que vimos na comunidade do Cumbe, ela sabe muito bem o que faz, para que faz e para quem faz. Como se pode alegar que uma criação de ostras numa gamboa prejudica a criação de camarão ? O contrário sim, a criação de camarão aos moldes que temos em Aracati, vem prejudicando o meio ambiente, as comunidades e as pessoas.

Com essa ação fica cada vez mais comprovado que há uma grande distância entre o que diz a lei e como ela se concretiza, ela não é para todos de forma igual. Em Aracati ela vem sempre beneficiando os opressores do povo. “Fomos tratados como bandidos”, disse um pescador.

O que temos visto em todos os cantos dessa nossa cidade é destruição. Lagos são aterrados, carnaúbas são derrubadas, manguezais são devastados, águas são poluídas, e tudo isso com a conivência da Semace, do Ibama e da Prefeitura. Daqui a pouco tempo e bem pouco tempo estaremos vivendo num grande deserto. Na Comunidade da Ilha São José apenas 12 das 33 famílias continuam resistindo e querendo permanecer no seu espaço, as demais cederam aos caprichos do carcinicutor.

A ação policial no Cumbe, ajuizada pela “justiça”, na pessoa da juíza Ana Celina, foi de uma atrocidade sem limites. Bombas de gás, balas de borracha, armamento pesado para gente simples, trabalhadores e trabalhadoras, crianças, jovens, idosos e mulheres grávidas. Cenas que ficarão nas lembranças e alimentarão a resistência. “Vale passar por qualquer medo, quando se sabe por qual causa se está lutando,” disse uma das moradoras do Cumbe.

É uma luta de Davi contra Golias ( 1Samuel 17, 41-51). São os Acazes e as Jezebeus ((1Reis 21, 1-27) de hoje querendo tomar os territórios e os espaços das comunidades. É o capital querendo se apropriar indevidamente do que não é seu, visando sempre o lucro e menos o bem estar das pessoas. “Vai chegar o ponto de querer pegar um peixe para os filhos e não poder”, desabafou um pescador em meio a destruição física e psicológica.

* Missionário Redentorista e membro da OPA – Organização Popular de Aracati.

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • Elane Facundo disse:

    Muito bom o artigo do Pe. Júlio, conheço a luta do Cumbe e sei o tamanho da desigualdade desta luta, e espero que no fim Davi derrote Golias.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,16-18

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 20,1-16a

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,4-15

Visita Pastoral na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, Maranguape

II Romaria Bíblica e encontro sobre contabilidade na Região São Pedro e São Paulo


QR Code Business Card