Atualidades

[Artigo] CNBB E O MOMENTO ATUAL

Em meados de março de 2016, a Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) publicou uma nota externando sua preocupação com a “profunda crise política, econômica e institucional que tem como pano de fundo a ausência de referenciais éticos e morais, pilares para a vida e organização de toda a sociedade”. Segundo os bispos a superação da crise passa pela recusa sistemática de todo e qualquer tipo de corrupção, pelo incremento do desenvolvimento sustentável e pelo diálogo entre os responsáveis pela administração dos poderes do Estado e a sociedade. Falando em Tauá, no interior do Ceará, no encerramento dos festejos religiosos de São José, o bispo de Crateús, Dom Ailton Menegussi disse: “Não aceitamos que partido político nenhum se aproveite dessa crise para dar golpe no país”. O mesmo prelado afirmou que “todos os bispos no Brasil estão contra a corrupção”, e que tem corrupto em tudo que é partido, e que a corrupção não foi inventada de quinze anos para cá.padre_brendan_coleman

Dom Ailton disse: “Nós não estamos interessados em trocar governo, simplesmente: nós queremos que o país e os cidadãos brasileiros sejam respeitados”. E falando mais claramente o bispo continuou: “Nós não vamos simplesmente apoiar troca de governos, de pessoas interesseiras, que estão apenas querendo se apossar, porque são carreiristas”. “Não vamos acreditar que – muito desse barulho aí – estejam preocupados conosco, não. Tem muita gente lá posando de santinho, mas que nunca pensou em pobre e não pensa em pobre. Tão fazendo discurso bonito porque querem o poder. E com isso a CNBB não concorda”.

O documento da CNBB do dia 10 de março, próximo passado, fala sobre as suspeitas de corrupção. “Essas devem ser rigorosamente apuradas e julgadas pelas instâncias competentes. Isso garante a transparência e retoma o clima de credibilidade nacional”. A CNBB defende que as investigações continuem, mas que sejam condenados somente, de fato, os culpados comprovados. Os bispos não estão querendo ver pessoas condenadas sem provas e sem um julgamento justo. A CNBB afirma que o momento atual não é de acirrar ânimos. A situação exige o exercício de muita diálogo. Defendem as manifestações populares que é um direito democrático que deve ser assegurado a todos pelo o Estado. Porém, essas manifestações populares devem ser pacíficas, com o respeito às pessoas e instituições. É fundamental garantir o Estado democrático de direito. O papa Francisco disse que a corrupção é uma praga que clama aos céus. É algo que destrói a vida das pessoas. Vamos confiar o Brasil ao Senhor da vida e da história pedindo que o atual momento político transforme o Brasil que temos no Brasil que queremos.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald

Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia do Mondubim realiza festejo à Nossa Senhora

Papa: as ditaduras começam com a comunicação caluniosa

Dia Mundial do Refugiado promove cultura e debate os desafios do refúgio no Brasil

Nota de falecimento

Aparecida receberá restos mortais de Dom Aloísio Lorscheider, Cardeal repousará na Capela da Ressurreição do Santuário Nacional


QR Code Business Card