Atualidades

[Artigo] Ano da Caridade -1

Ano da Caridade – 1Neto-padre.-250

Foi de bom alvitre que o nosso Pastor Arquidiocesano, Dom José Antonio, promulgasse o triênio preparatório ao Jubileu do Centenário da Arquidiocese de Fortaleza. 2013 – Ano da Fé, 2014 – Ano da Esperança, 2015 – Ano da Caridade. Dois Simpósios foram realizados com a participação mais de mil pessoas, e uma vasta programação do Jubileu já foi preconizada.
Estamos em um tempo de fortes transformações, em que os fundamentos maiores da vida das pessoas e povos encontram-se de tal modo abalados que se torna necessário anunciar, testemunhar e irradiar o amor de Deus, mesmo que em meio a situações sofridas e desafiadoras. Esta é uma realidade que o Documento de Aparecida indica com clareza (por exemplo, números 38, 42 e 549).
Mesmo assim, nos alegra saber que na Arquidiocese de Fortaleza, estamos vivendo, com muito denodo, um tempo de amor e caridade, dois termos que nosso idioma distingue, mas que a Escritura Sagrada identifica. O Ano da Caridade é, deste modo, um tempo mais propício para que sejam incessantemente tomadas atitudes de amor ao próximo, como consequência do amor de Deus, do amor a Deus. O Ano da Caridade torna-se um tempo para rompermos com tudo o que destrói a vida, banaliza a existência, desconsidera o ser humano e comercializa a relação com Deus e com o próximo. É um tempo que precisa ser assumido dentro de cada um de nós, através de um firme exame de consciência. É um tempo para que o grande Amor de Deus se manifeste desde os pequenos gestos até aquelas grandes atitudes.
2015 precisa ser para nós, católicos da Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção e dos vários municípios circunscritos na Arquidiocese, um tempo para olhar mais em direção ao irmão, sorrir, parar, escutar, acolher e socorrer. Precisa ser um tempo em que sejam capazes, principalmente com atitude, de dizer a quem quer que seja: “tua dor é minha dor”. Precisa ser um tempo em que nossas obras sociais se integram unindo forças, mostrando a capacidade de acolher mais pessoas. Precisa ser um tempo em que façamos uma grande revisão de nosso tempo, do modo como usamos o nosso tempo. Tanta correria atropela as pessoas e esmigalha a ternura. O consumismo nos desumaniza, o individualismo nos resseca, a religião comercializada nos ilude. Só o amor ao próximo, com renúncia ao olhar excessivo sobre nós mesmos, é capaz de compreender e acolher Jesus Cristo. Ele que, sendo de condição divina, não se fechou em si mesmo, mas se esvaziou até à morte de cruz. (cf Fl.2,5ss).
2015 deve ser um tempo para descobrirmos em nós os bons samaritanos do século XXI (cf. Lc 10, 29-37). Deve ser um tempo para fugirmos da tentação de querer “ser cristãos mantendo uma prudente distância das chagas do Senhor “(cf. Evangelli Guadium, 27).
O Ano da Caridade vai terminar em 14 de novembro de 2015, na Festa do Jubileu do Centenário. Até lá, caminhamos com muito entusiasmo, proclamando boas novas em novos tempos, a fim de motivar a prática pessoal e comunitária da caridade. Que todos nós, nesse ano jubilar, possamos estar com o coração mais próximo do Senhor e de toda caridade e, quando for o momento, possamos ouvir dele: “vinde, estive fragilizado e me socorreste (cf. Mt. 25,31-46).
Vivamos com alegria o Ano da Caridade!

Pe. Raimundo Neto
Pároco de São Vicente de Paulo

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia do Mondubim realiza festejo à Nossa Senhora

Papa: as ditaduras começam com a comunicação caluniosa

Dia Mundial do Refugiado promove cultura e debate os desafios do refúgio no Brasil

Nota de falecimento

Aparecida receberá restos mortais de Dom Aloísio Lorscheider, Cardeal repousará na Capela da Ressurreição do Santuário Nacional


QR Code Business Card