Atualidades

[Artigo] Abandonar-se em Deus

Abandonar-se em Deus

Padre Geovane Saraiva*

No encontro da Fraternidade Jesus+Caritas deste ano de 2016 do Nordeste, nos dias 26 e 27 de julho, foi enfocado o centenário do martírio do bem-aventurado Charles de Foucauld. Lindolfo Euqueres, irmãozinho do Evangelho de João Pessoa, ajudou-nos a viajar pelo Deserto do Saara, fixando-nos em Tamanrasset, lugar abençoado e amado pelo Irmão Carlos de Foucauld. Lá ele passou os últimos onze anos de sua vida, derramando seu sangue na areia daquele abençoado deserto (1/12/1916). Também não nos esquecemos de visitar, pelo estudo do irmão Lindolfo, a cidade de El Golea, na Argélia. Lá se encontram os restos mortais do nosso amigo e pai espiritual.padre-geovane_saraiva_t

Como seria maravilhoso se cada pessoa soubesse compreender o valor das virtudes cristãs, a partir da simplicidade, da entrega e do despojamento, abraçando, de todo o coração, numa profunda compreensão aos olhos da fé, o projeto do Deus-amor na sua beleza, preciosidade sublime e elevada, único e maior tesouro, a ponto de se distanciar da lógica do poder, da vaidade e da ganância! Tudo por causa do  encontro com o absoluto de Deus, tendo como condição sine qua non a busca do último lugar, a conversão permanente, a Eucaristia como o eixo, a oração do abandono e o Evangelho da Cruz.

Numa sociedade contrária ao projeto de Deus, proclamado por Jesus de Nazaré, que tem como princípio subir na vida, somos chamados a escutar o clamor de Deus no mais íntimo da consciência. No mundo com o estigma da insensatez e da ausência de corações generosos e solidários, somos desafiados, à luz do Evangelho, de modo concreto, a mudar nosso estilo de vida. Na parábola do agricultor rico e insensato, fechado em si mesmo e voltado para a lógica do acúmulo, que o esvazia e desumaniza, de armazenar e crescer a segurança de seu bem-estar, Jesus deixa claro que tudo dele é loucura e tem por fim a frustração e fracasso total.

O belo texto Em busca do último lugar, do Padre Günter Lembradl, muito nos ajudou, no sentido de compreender o referido tema, a partir do seguinte paradoxo: “Descer só pode quem já tem uma vida cheia; cheia de amor e de misericórdia, como Jesus Cristo que, estando na forma de Deus, renunciou ao direito de ser tratado como Deus. Pelo contrário, esvaziou-se a si mesmo e tomou a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens. E sendo encontrado na figura de homem, rebaixou-se ainda mais, fazendo-se obediente até à morte, e morte de cruz (cf. Fil. 2, 5ss). O último lugar não é um lugar já definido e pronto que alguém pode escolher, mas é a opção de vida de alguém de abandonar-se nas mãos de Deus, deixar-se guiar por Ele. Ao último lugar se chega após uma longa caminhada de descer. Buscar o último lugar é para gente corajosa que não tem medo de enfrentar aventuras”.

Aprendamos com Charles de Foucauld, que, ao levar a Eucaristia para os irmãos no Deserto do Saara, ofereceu-lhes a mesma ternura e compaixão do Filho de Deus, com uma enorme vontade de ser amigo de todos, bons e maus, de amar a todos, indistintamente. Quis ser, de verdade, o irmão universal, assemelhando-se a Jesus de Nazaré em tudo, sobretudo na sua paixão e calvário. Amém!

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência  Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia do Mondubim realiza festejo à Nossa Senhora

Papa: as ditaduras começam com a comunicação caluniosa

Dia Mundial do Refugiado promove cultura e debate os desafios do refúgio no Brasil

Nota de falecimento

Aparecida receberá restos mortais de Dom Aloísio Lorscheider, Cardeal repousará na Capela da Ressurreição do Santuário Nacional


QR Code Business Card