Atualidades

[Artigo] A Vida Religiosa Consagrada ao final de um Ano da Vida Religiosa Consagrada

O Papa Francisco convocou ano passado o Ano da Vida Religiosa Consagrada (VRC), dentro de um espírito de reencantamento, desejoso de partilhar as dificuldades, mas também expor luzes para o futuro, a partir de Cristo. Com esse passo importante a VRC entrou nas comemorações dos Cinquenta anos do Concílio Vaticano II.Pe_Abimael

O Decreto “Perfectae Caritatis” já propunha, dentro do espírito do Concílio, uma nova abordagem dos Conselhos Evangélicos e da VRC “segundo os tempos atuais” (PC 1). Contudo, a proposta atualização passa, segundo o Concílio, por um revigoramento que encontra suas forças nas fontes carismáticas de cada família religiosa, pois lá está o primeiro encantamento, o lugar onde o Espírito suscitou um singular encantamento pelo Evangelho, diz o Concílio: “a atualização da vida religiosa compreende ao mesmo tempo contínuo retorno à fontes de toda vida cristã e a inspiração primitiva e original dos institutos e adaptação dos mesmos às novas condições dos tempos.”

Tal proposição conciliar levou a VRC a uma busca de sua identidade, segundo a tradição dos vários institutos houve um tempo de frutuoso retorno. Muitas publicações, muitos seminários, mas ao lado disso houve no imediato do Concílio a dor da perda. Em virtude de interpretações múltiplas muitos deixaram a VRC, mas também estava um espírito de reencantamento, em especial na América Latina com a presença profética que se intensificou nos anos pós-conciliares. Em meio às ditaduras, a VRC foi uma verdadeira voz profética: muitos deram a vida!

Tempos novos se impuseram a VRC ao final do século XX: envelhecimento dos membros, muitas casas de formação deixaram a inserção, diminuição de ingressos de novos membros, reestruturação de muitos institutos, a cultura neoliberal também não deixou de afligi-la. São desafios que que impõe também nesta segunda década do século XXI.

Diante destes desafios o Papa Francisco propôs para este ano a Alegria. Contudo, em meio a tantos desafios como guardar a alegria? Vários institutos não somente na Europa, mas também nas américas já experimentam o desaparecimento de províncias e a ameaça de desaparecimento do próprio instituto; outros têm que conviver com as duras consequências da infidelidade e delitos de alguns membros; alguns vendem os bens para cuidar melhor dos muitos idosos, à espera de quem ficará para a pagar a luz!

O Papa Francisco quis neste ano um reencantamento a partir da cruz. É uma espécie de mudança de referencial, se antes se predominava um encantamento maravilhado com a pessoa de Jesus, em virtude de suas palavras, de seus sinais, e mesmo da cruz que é vencida pela ressurreição; agora, todos estes elementos permanecem: as palavras de Jesus, os sinais, a cruz vencida pela ressurreição. Mas a dor, a solidão e a impotência da cruz acentuam o ministério da presença. Um modo de presença profético, mas sem grandes alardes, apesar de seguir sendo um serviço, diz-nos o Papa: “Numa sociedade que ostenta o culto da eficiência, da saúde, do sucesso e que marginaliza os pobres e exclui os «perdedores», podemos testemunhar, através da nossa vida, a verdade destas palavras da Escritura: «Quando sou fraco, então é que sou forte» (2 Cor 12, 10).” (Carta Apostólica Ano da Vida Consagrada).

Neste início do século XXI, atender ao Concílio passa pela alegria de assemelhar-se a Jesus, ou melhor, em saber que Jesus viveu coisas semelhantes ao cenário atual para a VRC, “que entre nós não se vejam rostos tristes, pessoas desgostosas e insatisfeitas, porque «um seguimento triste é um triste seguimento». Também nós, como todos os outros homens e mulheres, sentimos dificuldades, noites do espírito, desilusões, doenças, declínio das forças devido à velhice. Mas, nisto mesmo, deveremos encontrar a «perfeita alegria», aprender a reconhecer o rosto de Cristo, que em tudo Se fez semelhante a nós e, consequentemente, sentir a alegria de saber que somos semelhantes a Ele que, por nosso amor, não Se recusou a sofrer a cruz.” (Carta Apostólica Ano da Vida Consagrada).

Três elementos enfatizados no Documento de Aparecida parecem levar ao coração dessa alegria: dedicar-se a Cristo com um coração indiviso, ser especialista em comunhão e testemunho da primazia de Deus (DAp. 216-219). Aquilo que o Papa propôs na Carta Apostólica como objetivos passa por estes elementos identificadores da VRC, o Papa Francisco propôs: 1. Olhar com gratidão o passado; 2. Viver com paixão o presente e 3. Abraçar com esperança o futuro.

A VRC é chamada a perscrutar o passado vendo essa primazia de Deus, do mesmo modo um presente apaixonado passa por este amor a Cristo, por um coração indiviso, que não se deixa iludir pelos ares de secularização e disputas, pois o olhar está fixo no Senhor, também para um tempo de diminuição de membros e envelhecimento, a comunhão exige mais concretude, voltar ao espírito dos primeiros cristãos, ao que a intuição original sonhou para a vida comunitária do instituto, estabelecer ponte com o laicato, e mais fortalecer os laços de colaborações com as Igrejas locais. Estes elementos estavam seguramente presentes na inspiração original dos institutos, mas atualizar é voltar àquela alegria primeira e eleger, novamente, o que é essencial.

Quando se tem muito, eleger o que é essencial não é fácil. Requer tempo e muita atenção, a nós religiosos isso se chama discernimento à luz do Espírito de Deus. Portanto, a alegria não é uma magia, é uma opção de quem resolve eleger o essencial para guarda-lo, vive-lo e anuncia-lo. Que o Ano da Vida Religiosa Consagrada nos tenha ajudado a isto, a eleger o essencial.

 

 

Pe. Abimael Francisco do Nascimento, msc.

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card