Atualidades

[ARTIGO] A Igreja e a copa

padre-Brendan200No dia 13 de maio, próximo passado, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil divulgou uma longa mensagem ou carta sobre a Copa do Mundo. No texto intitulado “Jogando pela vida”, os bispos afirmam que “a Igreja no Brasil acompanha, com presença amorosa, materna e solidária, esse grande evento que reunirá vários países e protagonizará a oportunidade de um congraçamento universal”. Os bispos consideraram o esporte um direito humano de especial valor, dizendo que é necessário a uma vida saudável e que não deve ser negligenciado por nenhum povo. A carta reconhece que “de todos os esportes, o brasileiro nutre reconhecida paixão pelo futebol”. Por isso, a maioria dos brasileiros aguarda a Copa do Mundo com expectativa e alegria. Os bispos acreditam que os brasileiros, conhecidos mundialmente por sua hospitalidade e alegria, “saberão colher aqueles que, de todas as partes do mundo, virão ao nosso país por ocasião da Copa”.

Os bispos notaram que, na preparação para a Copa, houve manifestações populares que “acertadamente reivindicam a soberania do país, o respeito aos direitos dos mais vulneráveis e efetivas políticas públicas que eliminem a miséria, estanquem a violência e garantam vida com dignidade para todos”. Eles externizam sua solidariedade com os que, por causa das obras da Copa, “foram feridos em sua dignidade e visitados pela dor da perda de entes queridos”. Os bispos não aceitam que, por causa da Copa, “famílias e comunidades inteiras tenham sido removidos para a construção de estádios e outras obras estruturantes, numa clara violação do direito à moradia”. A Copa não pode aprofundar as desigualdades urbanas e a degradação ambiental.

Acredito que todas as pessoas de boa vontade concordarão com os bispos quando eles afirmam que “a Copa do Mundo não se medirá pelos valores que injetará na economia local ou pelos lucros que proporcionará aos seus patrocinadores. Seu êxito estará na garantia de segurança para todos sem o uso da violência, no respeito ao direito às pacíficas manifestações de rua, na criação de mecanismos que impeçam, o tráfico humano e a exploração sexual, sobretudo, de pessoas socialmente vulneráveis”. Fortaleza é uma das cidades-sede da Copa e esperamos que os seis jogos que acontecerão aqui sejam jogos de alto grau de esportividade, sem violência e de grande cordialidade. Vamos respeitar e aplaudir os times que ganham e os times que perdem. Vamos trabalhar para que esta Copa do Mundo seja lembrada “como tempo de fortalecimento da cidadania”.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Planilha de contribuição das paróquias e das áreas pastorais: outubro de 2017

Festa da Paróquia Nossa Senhora das Graças – Santa Maria

“I Aviva Povo de Deus”

Paróquia Nossa Senhora das Graças e São Pedro na Praia da Tabuba, em Caucaia – CE.

Material que foi veiculado no Jornal JCTV na Rede Vida de Televisão


QR Code Business Card