Atualidades

A Sagrada Litrurgia

Na comemoração do 50º. aniversário da Constituição sobre a Sagrada Liturgia que foi o primeiro documento promulgado pelo Concílio Vaticano ll na Sessão Solene de 4 de dezembro de 1963, presidida pelo Papa Paulo Vl com 2.147 votos de aprovação e apenas 4 negativos. (cf. Compêndio do Concílio Vaticano ll,ConstituicaoSacrosanctum constituições, decretos, declarações, 29a. ed., Vozes, Petrópolis, 2003, p.258), a Comissão Episcopal para a Liturgia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil decidiu agora publicar uma segunda edição da “Sacrosanctum Concilium”  mas agora como  leitura popular. Este livrinho de 108 páginas é um subsídio didático que tem por finalidade auxiliar os integrantes das equipes de pastoral litúrgica na compreensão e na vivência do espírito litúrgico do documento original do Vaticano ll. É um livro de grande utilidade na preparação e na realização das celebrações nas comunidades e nas paróquias. Acredito que exemplares deste livro devem estar disponíveis nos seminários, nos noviciados e nos  demais casas de formação dos religiosos e religiosas.

O documento conciliar “Sacrosantum Concilium”  foi cuidadosamente preparado pela Comissão Litúrgica pré-conciliar, e foi o projeto  aprovado com menos dificuldades entre todos os projetos do Concílio. Agora a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) está nos convidando a reler esta importante Constituição sobre a Sagrada Liturgia didaticamente elaborada e em linguagem popular acessível ao povo de Deus. O livro é dividido em sete capítulos e um apêndice. O primeiro capítulo apresenta os princípios envolvidos em reformar e promover a Liturgia. O segundo capítulo trata do Sagrado Mistério da Eucaristia, sua importância e como alcançar sua plena eficácia pastoral. O terceiro capítulo aborda os demais sacramentos e a importância  destes. O quarto capítulo abrange o Ofício Divino ou Liturgia das Horas e o que fazer para que este Ofício se ajuste à vida contemporânea. O quinto capítulo trata do Ano Litúrgico e a importância que tem a comemoração anual dos Mistérios de Salvação para a vida da Igreja.  O sexto capítulo trata da Música Sacra  e sua verdadeira função na liturgia cristã. Este capítulo é muito importante hoje em dia quando a “música” em certas igrejas é ensurdecer e o conjunto musical prega os próprios membros e não Jesus crucificado. Acredito que não podemos perder nosso rico acervo da música sacra que é coisa para ser conservada e até promovida. O canto gregoriano e música polifônica tipo Palestrina devem ser ensinados nos seminários, noviciados e demais casas de formação. O canto popular religioso precisa ser inteligentemente incentivado, de modo que os fiéis possam cantar. O coral, por melhor que seja nunca devia tirar dos fiéis seu direito de cantar.

O capítulo sete trata da Arte Sacra e as Sagradas Alfaias (objetos de adorno). Fala sobre a importância da arte na Liturgia. A arte sacra deve evitar extravagância, improvisação, superficialidade e modismo. Finalmente, o apêndice apresenta a Declaração do Concílio Vaticano ll acerca da Revisão do Calendário. Em fim, é um pequeno livro de grande valor.

                                                     Pe. Brendan Coleman Mc Donald

Redentorista

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

XIX Assembleia Estadual da Pastoral Operária do Ceará

Visitas Pastorais: uma missão episcopal

São Lucas Evangelista

Papa Francisco nomeia novo bispo para a diocese de Montenegro, no Rio Grande do Sul

18.10.2017 – Audiência Geral


QR Code Business Card